7 milhões de brasileiras sofrem com a endometriose

Segundo a especialista Dra. Paula Fettback, atraso no diagnóstico dificulta o tratamento

De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil, pelo menos 1 em cada 10 mulheres sofrem de endometriose.  Embora a incidência da doença seja elevada, muitas mulheres têm dúvidas sobre os sintomas e muitas vezes apesar de sofrerem por anos e anos de cólicas menstruais, dores crônicas severas e outros sintomas característicos não são indagadas pelos ginecologistas sobre os mesmos, ou em muitos casos as queixas são consideradas “normais” por muitos profissionais da saúde, o que pode dificultar o diagnóstico e tratamento precoce.

A médica ginecologista especializada em infertilidade, Dra. Paula Fettback, explica que a endometriose é uma afecção ginecológica crônica responsável por diversos sinais, sendo o mais comum as cólicas menstruais. Além disso,  dores abdominais e pélvicas fora do período menstrual, alterações intestinais como distensão abdominal, obstipação alternada com diarréias e/ou dor para evacuar durante a menstruação, dor para urinar durante o ciclo menstrual e/ou infecções urinárias de repetição e dores durante a relação sexual também são frequentes. Podem, ainda, ocorrer sangramentos intensos e irregulares durante o período menstrual, fadiga, cansaço e até mesmo infertilidade ou dificuldade para engravidar.

“A endometriose acontece quando as células do endométrio, que é a parte mais interna do útero, são encontradas em locais fora do útero. Conhecidas como endométrio ectópico. Estas células podem atingir locais distintos mas os mais comuns são os ovários, bexiga e a cavidade pélvica e abdominal causando inflamação crônica e, por este motivo, uma mulher que sofre de endometriose pode sentir fortes dores nesta região, no entanto, em alguns casos a doença pode ser silenciosa ou pouco sintomática.” explica a especialista.

A Dra. Fettback relata que não há uma explicação exata para o que causa a endometriose. No entanto, observa-se que pode estar relacionada a uma predisposição à menstruação retrógrada, que é quando o sangue não é totalmente eliminado durante o período menstrual e acaba migrando para outros órgãos pélvicos. Além disso, de acordo com a especialista, alguns fatores genéticos podem estar relacionados ao diagnóstico. Observa-se que a maioria das pacientes têm histórico de endometriose na família.

Diagnóstico

Segundo a Dra. Paula, a paciente recebe o diagnóstico tardio, na faixa etária entre 25 e 35 anos, mas a doença pode atingir a mulher já nas primeiras  menstruações, inclusive na adolescência. “A maioria das adolescentes pensa que as dores abdominais são simplesmente cólicas. Isso dificulta um pouco o diagnóstico. Por isso, é importante realizar exames específicos para este diagnóstico e estar ciente de que a cólica menstrual intensa não é normal, sendo a maioria dos casos uma doença de diagnóstico clínico, ou seja, na anamnese correta. É importante que o médico conheça a endometriose e faça as perguntas e exame físico corretos.”, destaca.

A médica ressalta que o diagnóstico pode se tornar difícil devido ao fato de que a maioria das mulheres pensam que ter cólicas e sangramento intenso pode ser algo natural durante a menstruação. “Infelizmente, muitos ginecologistas também ainda não investigam corretamente a doença. Quanto mais precoce o diagnóstico e tratamento, melhor o prognóstico futuro”, explica.

A Dra. Fettback complementa, ainda, que a avaliação geralmente é feita por meio de uma ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal para as pacientes que já tiveram relações sexuais. Já as que não tiveram relações, o mais indicado é a ressonância magnética. “Se as imagens forem analisadas por profissionais experientes e especialistas em imagem para endometriose, o diagnóstico é muito preciso”, pontua.

Endometriose X infertilidade

Por fim, a Dra. Paula esclarece que outro agravante da endometriose é o fato de interferir na gestação, já que a doença é uma das principais causas de infertilidade feminina, na qual de 30% a 40% das mulheres inférteis são diagnosticadas com endometriose.

“A endometriose causa infertilidade porque as células do endométrio causam um processo inflamatório crônico na pelve, com isso, há uma alteração na anatomia e funcionamento do aparelho reprodutor feminino, o que pode causar até mesmo obstrução das tubas uterinas e deslocamento do útero, fazendo com que o espermatozóide não chegue ao destino correto. Fatores relacionados com qualidade do óvulo e implantação do embrião no útero também podem afetar a fertilidade em alguns casos de endometriose”, afirma a ginecologista.

No entanto, a médica diz que nem todas as mulheres que sofrem de endometriose são inférteis. “Algumas podem engravidar por métodos naturais ou pelos procedimentos de reprodução assistida”, conclui a especialista.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Imunoterapia, anticorpos conjugados, sequenciamento genético e por onde caminha a pesquisa clínica que visa beneficiar as pacientes…
Técnica permite menor custo e menos efeitos colaterais nas pacientes…
Em 27 de agosto, às 19h, o “Nós Tentantes, Projeto de Vida” idealizado por Karina Steiger, mãe…
De acordo com o IBGE, o número de casamentos entre pessoas LGBTQIAPN+ cresceu no Brasil e superou…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS