Abordagem multidisciplinar no tratamento da endometriose auxilia no alívio dos sintomas

No mês dedicado à saúde da mulher, especialista do Hospital Santa Teresa fala sobre a doença que afeta de 10% a 15% da população feminina brasileira

A endometriose é uma condição ginecológica que pode causar muitas dores e, até mesmo, afetar a vida reprodutiva das mulheres. Nos últimos anos, houve um aumento exponencial no interesse sobre a doença, tanto em publicações científicas médicas como em redes sociais e conversas cotidianas. Alguns especialistas alertam, inclusive, para a utilização do termo de forma indiscriminada que pode gerar um certo “modismo” em torno da condição. Com a chegada do mês da mulher, a ginecologista e obstetra do Hospital Santa Teresa, Dr. Diane Leite, explicou um pouco mais sobre o problema.

A fisiologia da endometriose envolve a presença de um tecido que reveste internamente o útero. Esses focos podem se desenvolver em várias áreas do corpo, incluindo trompas, intestino, bexiga, pulmão e diafragma. A origem precisa da patologia ainda não é totalmente compreendida, embora já existam algumas teorias.

O tratamento para a doença passou por mudanças significativas ao longo do tempo. Antigamente, o foco era exclusivamente cirúrgico, mas hoje existem diversas opções, desde dispositivos intrauterinos (DIU) e terapias hormonais até tratamentos cirúrgicos, dependendo do grau e do comprometimento da condição.

“É fundamental entender que a endometriose é uma doença da fase reprodutiva da mulher, exigindo sangramento para se manifestar. Portanto, o tratamento visa interromper esse sangramento, seja por meio de medicamentos ou, em casos mais graves, intervenções cirúrgicas”, destaca a Dra. Diane Leite.

Além disso, a abordagem multidisciplinar no tratamento desse distúrbio vem ganhando destaque. A condição é considerada inflamatória e crônica e a nutrição desempenha um papel crucial no alívio dos sintomas. Dietas anti-inflamatórias e a prática de atividade física são recomendadas para melhorar a qualidade de vida das pacientes.

“O tratamento da endometriose hoje é multidisciplinar, incorporando não apenas a supressão da menstruação, mas também a atenção à inflamação através da alimentação e do exercício físico. A individualização do tratamento é essencial, pois existem diferentes graus de endometriose, e cada paciente pode apresentar sintomas variados”, afirma a ginecologista e obstetra do Hospital Santa Teresa.

Embora a endometriose seja uma condição da vida moderna, com diagnósticos mais acessíveis, há um alerta sobre o excesso de diagnósticos, muitas vezes identificando casos que não causam impacto clínico significativo. A compreensão da complexidade da endometriose e a importância de tratamentos personalizados são fundamentais para proporcionar o melhor cuidado às mulheres afetadas por essa condição.

O tratamento não apenas visa aliviar sintomas dolorosos, mas também desafia conceitos relacionados à fertilidade. O acompanhamento cuidadoso e a adaptação do tratamento para cada paciente são cruciais para garantir o melhor resultado possível. Por isso, é importante fazer visitas regulares a um especialista para acompanhar a condição desde o início e acompanhar a sua evolução.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

* Por Cadu Lopes O setor da saúde está em constante evolução, seja por conta dos rápidos…
Padrão cultural faz com que eles desenvolvam condições que poderiam ser revertidas Homens vão menos ao médico…
Ginecologista especialista em menopausa explica a diferença entre fim de menstruação e estar na menopausa A histerectomia…
Idealizado por Karina Steiger, mamãe por ovodoação, o Nós Tentantes, Projeto de Vida percorre cidades brasileiras com…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS