Câncer de colo de útero: vacinar é prevenir

Campanha Março Lilás alerta para prevenção da doença, que mata 311 mil mulheres no mundo a cada ano. Imunizante evita tipos oncogênicos do HPV

Tema da campanha Março Lilás, o câncer de colo de útero ocorre devido à infecção persistente por tipos oncogênicos do Papiloma Vírus Humano (HPV), considerada a principal doença sexualmente transmitida. Ele é a quarta principal causa de morte de mulheres no Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). São mais de 17 mil casos e cerca de 6 mil mortes, a cada ano, no Brasil. No resto do mundo, ele vitima 311 mil mulheres anualmente.

É uma doença evitável pela vacina, que está disponível nas redes pública e privada, em diferentes apresentações. O imunizante contra o HPV contém os principais sorotipos causadores do câncer de colo de útero, verrugas e outros tipos cânceres anogenitais, de boca e orofaringe, em ambos os sexos.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde, existem mais de 100 tipos de HPV, dos quais pelo menos 14 são cancerígenos (alto risco). “Dois tipos, o 16 e 18, causam 70% dos cânceres do colo do útero e das lesões pré-cancerosas. Também há evidências científicas que relacionam o HPV a lesões de ânus, vulva, vagina, pênis e orofaringe. Se detectado precocemente, pode ser tratado e curado. Sem tratamento, é quase sempre fatal”, explica a médica da família Paula Cícero, da Amparo Saúde, empresa de Atenção Primária e Gestão de Saúde de Grupos Populacionais do Grupo Sabin.

A médica infectologista Ana Rosa dos Santos, consultora de vacinas do Sabin Diagnóstico e Saúde, destaca que a imunização é indicada para ambos os sexos e explica que a transmissão do vírus pode ocorrer também na ausência da prática sexual, pelo contato direto com a pele ou mucosa. Quanto mais cedo se vacinar, mais cedo estará protegido, por isso a vacina deve ser aplicada, preferencialmente, antes do contato com o HPV. “A vacina traz benefícios ao longo prazo, como um investimento para a vida”, afirma.

Esquema vacinal e prevenção| O Sabin Diagnóstico e Saúde disponibiliza a vacina HPV9 (nonavalente), que protege contra nove subtipos cancerígenos do vírus: 16 e 18, os de mais alto risco para os cânceres de útero, anogenitais e orofaringe; os tipos 6 e 11, que provocam verrugas (condiloma), além dos sorotipos 31, 33, 45, 52 e 58. Esses últimos não compõem a versão quadrivalente ofertada no Sistema Único de Saúde (SUS).

Na rede privada, são aplicadas três doses e podem se imunizar pessoas de ambos os sexos, dos 9 aos 45 anos, enquanto nos postos de saúde o esquema é de duas doses meninos e meninas na faixa etária de 9 a 14 anos. A vacina também está disponível nos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (Crie) para crianças e adultos de 9 a 45 anos que vivem com HIV/Aids, transplantados e pacientes oncológicos.

As médicas alertam que a imunização não exclui a necessidade de outras medidas para evitar o contágio pelo HPV. “As vacinas complementam a prevenção e aumentam a segurança, mas é imprescindível usar preservativos e realizar exames ginecológicos. O vírus é um inimigo invisível”, reforça Ana Rosa.

Paula destaca que outros fatores de risco podem ocasionar a infecção, como baixa imunidade, outras infecções sexualmente transmissíveis e o fumo, além de predisposição genética. “Por isso, vacinar, oferecer educação para práticas sexuais seguras, usar preservativos e não fumar são medidas efetivas para evitar o câncer do colo do útero”, enumera a médica da família.

Exames colhidos em consultório ginecológico, como Papanicolau, colposcopia e captura híbrida podem identificar o câncer de colo de útero ainda em estágio inicial. “Caso a presença do vírus ou de lesões seja identificada, o tratamento pode ser feito com aplicação de substância ácida no consultório ou de medicamentos em forma de creme. No caso de múltiplas e extensas lesões, pode ser necessária intervenção cirúrgica ou cauterização elétrica”, descreve Paula.

Grupo Sabin | Referência em saúde, destaque em gestão de pessoas e liderança feminina, dedicado às melhores práticas sustentáveis e atuante nas comunidades, o Grupo Sabin nasceu na capital federal, fruto da coragem e determinação de duas empreendedoras, Janete Vaz e Sandra Soares Costa, em 1984. Hoje conta com 7.000 colaboradores unidos pelo propósito de inspirar pessoas a cuidar de pessoas. Presente em 14 estados e no Distrito Federal, a empresa oferece serviços de saúde com excelência, inovação e responsabilidade socioambiental às 78 cidades em que está presente e atende mais de 7 milhões de clientes ao ano em 350 unidades distribuídas de norte a sul do país.

O ecossistema de saúde do Grupo Sabin integra portfólio de negócios que contempla análises clínicas, diagnósticos por imagem, anatomia patológica, genômica, imunização e check-up executivo. Além disso, contempla também serviços de atenção primária contribuindo para a gestão de saúde de grupos populacionais por meio de programas e linhas de cuidados coordenados, pela Amparo Saúde e plataforma integradora de serviços de saúde – Rita Saúde – solução digital que conta com diversos parceiros como farmácias, médicos e outros profissionais, promovendo acesso à saúde com qualidade e eficiência.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

* Por Cadu Lopes O setor da saúde está em constante evolução, seja por conta dos rápidos…
Padrão cultural faz com que eles desenvolvam condições que poderiam ser revertidas Homens vão menos ao médico…
Ginecologista especialista em menopausa explica a diferença entre fim de menstruação e estar na menopausa A histerectomia…
Idealizado por Karina Steiger, mamãe por ovodoação, o Nós Tentantes, Projeto de Vida percorre cidades brasileiras com…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS