Câncer ginecológico: entenda os diferentes tipos e os métodos de prevenção

Médica da BP conscientiza sobre as características das doenças e os métodos preventivos mais comuns, que envolvem o exame de Papanicolau para detectar alterações na região genital e a vacinação contra o HPV

Anualmente, os tumores do sistema reprodutor feminino registram cerca de 30 mil novos casos no Brasil. Os mais frequentes são o câncer de colo uterino e de ovário, com cerca de 17 mil e 7 mil novos casos, respectivamente, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). O câncer de endométrio também tem registrado um aumento nos últimos anos, impulsionado pela maior expectativa de vida da população feminina e pelos hábitos de vida, atingindo principalmente mulheres na pós-menopausa. Enquanto isso, os cânceres de vulva e o de vagina são mais raros, representando 6% do total de tumores ginecológicos, mas com altas taxas de mortalidade. Marianne Pinotti, cirurgiã oncológica da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, comenta que o desconhecimento sobre as doenças, os sintomas indefinidos e questões culturais podem atrasar a procura por ajuda, levando a um prognóstico mais grave e a um tratamento mais agressivo.

A BP, um dos principais hubs de saúde de excelência do país, incorpora a alta tecnologia de cirurgias robóticas para uma variedade de procedimentos minimamente invasivos. No último ano, foram realizadas 29 remoções do útero (histerectomias) por via robótica, bem como nove retiradas dos linfonodos da pelve (linfadenectomia pélvica), um local comum de metástases. Marianne aponta que os robôs também podem ser utilizados em certos casos de câncer de ovário e endométrio. Para promover a conscientização sobre os tumores ginecológicos, a cirurgiã da BP lista as características, sintomas, causas e tratamentos dos diferentes tipos.

Câncer de colo uterino ou cervical

É o terceiro mais comum entre as mulheres, e geralmente se manifesta depois dos 40 anos. A principal causa é a infecção pelo papilomavírus humano (HPV), transmitido por contato sexual sem proteção. Existem cerca de 150 tipos de HPV, dos quais 40 podem infectar a região genital, e dois são responsáveis por 70% dos cânceres cervicais. A infecção pode causar alterações inflamatórias nas células, evoluindo para lesões pré-cancerígenas e, se não tratadas, se transformam em um tumor maligno. O exame preventivo mais comum é a citologia oncótica ou teste de Papanicolau, que coleta amostras do colo uterino e da vagina para análise laboratorial. A vacinação contra o HPV é recomendada, preferencialmente, entre 9 e 14 anos de idade, para meninas e meninos, antes do início da vida sexual. Nos estágios iniciais, o câncer de colo do útero geralmente não apresenta sintomas, mas, quando surgem, podem incluir:

  • Corrimento vaginal escuro, com sangue ou com mau cheiro
  • Sangramento vaginal após a relação sexual
  • Sangramento vaginal anormal: após a menopausa, entre períodos menstruais ou períodos excessivamente longos
  • Dor durante o sexo
  • Massa palpável no colo de útero
  • Hemorragias
  • Obstrução vias urinárias e intestinal
  • Perda de apetite e peso

Câncer de ovário

Este tipo tem uma das menores taxas de sobrevivência, pois é difícil de diagnosticar devido aos sintomas inespecíficos no início. Geralmente se manifesta após os 50 anos, no período pós-menopausa, mas também pode acometer jovens em idade reprodutiva. O histórico familiar é o principal fator de risco, embora mulheres que não tiveram filhos ou nunca amamentaram também apresentem risco elevado. Os exames fundamentais para o diagnóstico são o ultrassom transvaginal e a medição do marcador tumoral sanguíneo CA 125, pois 80% das mulheres com câncer de ovário apresentam níveis de CA 125 elevados. Os sintomas tornam-se mais evidentes em estágios avançadose podem ser confundidos com outras condições, por isso o exame ginecológico periódico é essencial. Os sintomas incluem:

  • Desconforto abdominal ou dor (gases, indigestão, pressão, inchaço, cãibras)
  • Inchaço ou sensação de plenitude, mesmo após refeições leves
  • Náusea, diarreia, constipação ou micção frequente
  • Perda ou ganho de peso inexplicável
  • Perda de apetite
  • Sangramento vaginal anormal
  • Fadiga incomum
  • Dor nas costas
  • Dor durante a relação sexual
  • Alterações menstruais

Câncer de endométrio (corpo do útero)

Atinge principalmente mulheres acima dos 60 anos, na fase pós-menopausa. Entre os fatores de risco associados, destacam-se a obesidade, níveis elevados de estrogênio e baixa produção de progesterona, síndrome dos ovários policísticos, idade precoce da primeira menstruação e menopausa tardia, nunca ter tido filhos, hipertensão arterial, diabetes mellitus, entre outros. Diferente do câncer de colo uterino, em que o exame de Papanicolau permite identificar lesões e alterações celulares, não existe teste equivalente para câncer endometrial. Portanto, a prevenção é feita com avaliação médica periódica, adoção de hábitos saudáveis, como a prática regular de atividade física e uma alimentação equilibrada, e controlando o uso de estrogênios. Em mais de 95% dos casos, o tumor se manifesta com sangramento vaginal anormal após a menopausa, e, quando cresce para o interior do abdome, pode causar:

  • Dor na pelve
  • Massa pélvica palpável
  • Perda de peso inexplicável

Câncer de vulva

Afeta a área externa do órgão genital feminino, começando na pele ou nas glândulas da vulva, podendo se espalhar para a abertura da vagina, os grandes lábios, os pequenos lábios e o clitóris. Este é um tipo raro, que pode se originar de uma desordem epitelial não neoplásica (VNED), apresentando manchas brancas e finas, distrofias e inflamação crônica. Geralmente ocorre após os 50 anos; ou deriva da infecção pelo HPV, com lesões nas células de pouca matriz extracelular, afetando com maior frequência mulheres mais jovens. Ser fumante e estar com o sistema imunológico enfraquecido também aumenta a probabilidade de desenvolver o câncer. O diagnóstico se inicia com o exame físico, seguido por exames como a vulvoscopia, mas confirmação ocorre somente após a análise de parte da lesão por meio da biópsia. A remoção cirúrgica do tumor é uma das estratégias de tratamento, que pode ser complementada por radioterapia, quimioterapia ou imunoterapia, em alguns casos. Os sintomas mais comuns incluem:

  • Coceira na região íntima
  • Dor ou sensibilidade na área
  • Dor ao urinar
  • Feridas que não cicatrizam
  • Caroços na região vulvar
  • Mudanças na textura ou na cor da região
  • Sangramento vaginal
  • Aumento dos gânglios linfáticos (caroço na virilha)

Câncer vaginal

Por fim, o câncer vaginal ocorre na parte interna do órgão, geralmente afetando os próprios tecidos, como o carcinoma de células escamosas. Outros tipos mais raros podem se originar a partir de células glandulares, como os adenocarcinomas. Lesões metastáticas, que se desenvolvem em outros locais, também podem prejudicar a vagina. Os casos mais comuns estão relacionados à infecção pelo HPV, o mesmo vírus que causa o câncer do colo do útero e de vulva. Costuma ocorrer em mulheres com mais de 60 anos de idade, devido ao seu desenvolvimento lento. No entanto, ter múltiplos parceiros sexuais e não utilizar proteção durante as relações sexuais são fatores de risco que podem acometer mulheres mais jovens. A prevenção é simples, e inclui vacinação contra o HPV e a realização regular do exame de Papanicolau. O diagnóstico começa com o exame físico, no qual o ginecologista observa presença de alguma alteração ou lesão, e então solicita a biópsia para confirmar o tumor. Os sinais de alerta são:

  • Sangramento vaginal anormal, geralmente após o sexo
  • Corrimento vaginal anormal
  • Caroço na vagina que pode ser sentido
  • Dor durante a relação sexual

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, podemos prevenir 40% dos cânceres e 60% das doenças cardiovasculares cuidando somente dos hábitos de vida! “Hoje, na medicina, o moderno não é mais tratar quando a doença apresenta sintomas, mas sim diagnosticar precocemente”, reforça Marianne. “Melhor ainda é prevenir através de vacinas, hábitos de vida saudáveis e realizando exames de rotina, que são pedidos de acordo com a idade e os riscos pessoais de cada mulher”.

Sobre a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Reconhecida quatro vezes pela revista Newsweek como uma das melhores instituições de saúde do mundo, a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo é um hub de saúde de excelência que conta com 7 mil colaboradores e 4 mil médicos atuando em três endereços na cidade de São Paulo, nos bairros da Bela Vista (2 unidades) e Jardim América. O hub também faz parte de um grupo de 6 instituições de excelência brasileiras que integram o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), do Ministério da Saúde.

Os serviços da BP são oferecidos por meio de 3 marcas de serviços hospitalares com foco em alta complexidade e que atendem diferentes segmentos de clientes, e 3 marcas que contemplam serviços de medicina diagnóstica, consultas médicas e atendimentos ambulatoriais e educação e pesquisa. São elas: Hospital BP, referência em casos de alta complexidade, pronto-socorro geral e corpo clínico especializado para clientes de planos de saúde e particulares; pelo BP Mirante, hospital que oferece um corpo clínico renomado, pronto atendimento privativo, hotelaria personalizada e cuidado intimista para clientes particulares e de planos de saúde premium; pela BP Medicina Diagnóstica, um completo e atualizado centro de diagnósticos e de terapias, que oferece exames laboratoriais, de imagem, métodos gráficos e de todas as outras especialidades diagnósticas; pelo BP Vital, uma rede de clínicas de diversas especialidades médicas integrada aos demais serviços da BP para cuidar da saúde dos clientes e estimular conversas preventivas sobre a saúde; e pela BP Educação e Pesquisa, tradicional formadora de profissionais de saúde que capacita profissionais por meio de cursos técnicos e de pós-graduação, residência médica, eventos científicos e é responsável por gerenciar mais de 100 estudos e pesquisas na área da saúde com o intuito de contribuir para a evolução da Medicina no País.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

* Por Cadu Lopes O setor da saúde está em constante evolução, seja por conta dos rápidos…
Padrão cultural faz com que eles desenvolvam condições que poderiam ser revertidas Homens vão menos ao médico…
Ginecologista especialista em menopausa explica a diferença entre fim de menstruação e estar na menopausa A histerectomia…
Idealizado por Karina Steiger, mamãe por ovodoação, o Nós Tentantes, Projeto de Vida percorre cidades brasileiras com…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS