Como adiar a maternidade com segurança e consciência

Especialista destaca a importância do planejamento reprodutivo em meio à crescente tendência de gravidez tardia

Trinta e cinco anos. Este é o marco inicial para uma gestação ser classificada como tardia. Apesar de parecer cedo, especialmente considerando as diversas mudanças que a mulher tem passado ao longo dos anos, este é um conceito que permanece inalterado. O médico convidado pela Organon, João Sabino Cunha Filho, professor titular da faculdade de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, reforça essa perspectiva.

“A saúde das gestantes de hoje aos 35 anos é muito melhor do que a das gestantes de três décadas atrás. Mas, a partir desta idade, consideramos a gravidez como tardia devido ao aumento do risco de uma série de condições, como doenças cardiovasculares, hipertensão e diabetes durante a gestação”, explica.

Outro fator que impacta as mulheres quando o assunto é gravidez tardia é o relógio biológico. A partir dos 35 anos, a fertilidade feminina começa a entrar em declínio, já que as mulheres não produzem novos óvulos após o nascimento. Com a reserva ovariana diminuindo ao longo dos anos, a concepção natural torna-se mais difícil.

Nesse contexto, muitas mulheres se veem diante de um dilema. À medida que os avanços médicos ampliam a expectativa de vida e as mulheres buscam realizar diversos objetivos pessoais e profissionais, a gravidez muitas vezes não está no centro de sua atenção. É aí que o congelamento de óvulos surge como uma alternativa.

De acordo com o Dr. João Sabino, este procedimento oferece às mulheres a liberdade de decidir o momento mais adequado para iniciar uma família. O especialista também afirma que se ele pudesse dar um conselho para as mulheres, seria: “façam um planejamento reprodutivo”.

“Assim como fazemos planejamento financeiro, para viagem, para comprar carro… Também é essencial pensar no futuro reprodutivo. Os óvulos podem ser congelados indefinidamente, sem prazo de validade. Se uma mulher optar por esse procedimento aos 32 anos, por exemplo, e decidir engravidar aos 40, é como se ela ainda tivesse 32 anos biológicos ao tentar engravidar”, destaca.

Com acompanhamento médico adequado, hábitos saudáveis e o apoio de técnicas como o congelamento de óvulos, a gravidez tardia pode ser uma experiência segura. A decisão de ter filhos após os 35 anos deve ser tomada de forma consciente, considerando os riscos e benefícios envolvidos, sempre com o apoio de um profissional de saúde qualificado.

Sobre Organon

A Organon é uma empresa global de saúde com foco no desenvolvimento de medicamentos para mulheres. Seu propósito é contribuir para que as mulheres tenham mais saúde e bem-estar em todas as fases da vida. A companhia possui um portfólio de mais de 60 medicações em diversas áreas terapêuticas, como saúde reprodutiva, contracepção, doenças cardíacas e câncer de mama. Entre esses produtos, constam também biossimilares e medicamentos estabelecidos no mercado. Oriunda da farmacêutica MSD, a Organon tem atuação autônoma e cerca de 9 mil trabalhadores espalhados pelo planeta.

Para obter mais informações, visite www.organon.com/brazil e conecte-se conosco no LinkedIn.

 

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

A infertilidade é uma doença silenciosa e que a cada ano que passa vai atingindo mais pessoas…
Concentração de espermatozoides que os homens liberam durante a ejaculação caiu mais de 50% nos últimos 50…
Brasil realiza mais de 70 mil cirurgias bariátricas por ano: acompanhamento médico é essencial para garantir a…
Com a entrada em vigor da Resolução CFM Nº 2.336, ocorreram importantes mudanças nas regras relacionadas à…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS