Confusão entre os sintomas da depressão e da deficiência de testosterona prolonga o sofrimento de mulheres perto da menopausa

Sintomas descritos por mulheres perto da menopausa são similares aos da depressão

A confusão entre os sintomas da depressão e da deficiência de testosterona prolonga o sofrimento de mulheres que estão perto do início ou na menopausa, de acordo com os ginecologistas. O motivo é a semelhança entre sinais depressivos e os característicos de baixos níveis do hormônio. São queixas frequentes de desânimo, ganho de peso, baixo desejo sexual e perda de massa muscular.
A diferença entre os casos de desequilíbrio hormonal e da doença psiquiátrica é sutil. Nos casos de depressão, o desânimo, o cansaço e o desinteresse sexual podem ser mais intensos. Além disso, os sentimentos de angústia e ansiedade também se apresentam. Para definir o diagnóstico, é necessário realizar avaliação ginecológica com base em exames laboratoriais.
A quantidade ideal do hormônio no corpo da mulher perto da menopausa está entre 8,4 e 48,1 ng/dL. Porém, as pacientes geralmente apresentam números extremamente menores e próximos a 2,9 ng/dL.
A especialista Dra. Emybleia Meneses, do Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE), explica que o desconhecimento sobre os sintomas do nível baixo de testosterona leva as pacientes a procurar por acompanhamento psiquiátrico. “É comum o relato de mulheres que tomaram antidepressivos e não apresentaram melhora dos sintomas. Essa situação prolonga o sofrimento e atrasa o diagnóstico correto”, comenta.
O tratamento para reequilibrar os níveis de testosterona é a terapia de reposição hormonal. A medicação alivia os sintomas já na primeira semana. Porém, antes de iniciá-la é primordial avaliar aspectos como sono, alimentação, atividade física e relacionamentos, pois eles também impactam no equilíbrio dos hormônios do corpo.

Sobre o Iamspe
O Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe) é o sistema de saúde do servidor público estadual. Com uma rede de assistência própria e credenciada presente em mais de 160 municípios, o Iamspe oferece atendimento a 1,3 milhão de pessoas, entre funcionários públicos estaduais e seus dependentes.

São mais de duas mil opções de atendimento no Estado, incluindo hospitais, clínicas de fisioterapia, médicos e laboratórios de análises clínicas e de imagem, além de postos de atendimentos próprios no interior, os Ceamas, e o Hospital do Servidor Público Estadual, na Capital. O Iamspe é um órgão do Governo do Estado de São Paulo, vinculado à Secretaria de Gestão e Governo Digital.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Considerada a segunda doença mais frequente entre mulheres na sua fase reprodutiva, endometriose pode levar até sete…
Uma em cada dez mulheres no mundo podem sofrer com o problema de saúde De acordo com…
O principal cuidado em relação aos miomas é a realização de exames periódicos, afirma o  especialista em…
Diante do crescimento alarmante dos casos e mortes em 2024, a especialista do Hospital Digital Vitta, do…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS