Curso gratuito para jornalistas – Fertilidade humana e planejamento familiar: como os ginecologistas podem ajudar em relação à saúde reprodutiva

Uma em cada seis pessoas no mundo sofre de infertilidade, num total de 17,5% da população mundial. Dado, presente no relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicado em abril, inspirou a Igenomix Brasil a realizar o Curso de Atualização em Fertilidade para Jornalistas e Comunicadores. Ainda com inscrições abertas, curso gratuito e presencial acontece neste sábado, 3, em São Paulo. Inscrições em https://encurtador.com.br/hlrS7

No mundo, o número de pessoas que apresentam infertilidade cresce. A Organização Mundial da Saúde (OMS), em documento publicado em 3 de abril, alertou que uma em cada seis pessoas em idade reprodutiva sofrem de infertilidade durante a vida. No Brasil, estima-se que cerca de 8 milhões de indivíduos podem ser inférteis, segundo dados da Associação Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA). Em muitos casos, as pessoas não sabem do problema ou levam anos para descobrir. No entanto, a infertilidade, aliada à tendência crescente de adiamento da maternidade/paternidade, é um problema que preocupa as sociedades e a comunidade científica, cujas investigações são cada vez mais alarmantes.

O relatório apresentado pela OMS fornece dados sobre a prevalência global e regional de infertilidade, analisando todos os estudos relevantes realizados entre 1990 e 2021 e levando em consideração os vários métodos de estimativa usados. Na busca pelo estudo, foram encontrados 12.241 registros de pesquisas de todo o mundo que poderiam ser incluídas na análise. Destes, foram selecionados 133, dos quais selecionaram dados para calcular estimativas agrupadas da prevalência de infertilidade ao longo da vida e em determinados períodos. Para o órgão, a infertilidade é um problema de saúde pública generalizado. A infertilidade também pode causar muita angústia, estigma e dificuldades econômicas, além de afetar o bem-estar mental e psicossocial das pessoas, com impacto socioeconômico significativo.

Há uma explicação para a infertilidade? – Hábitos de vida como sedentarismo, tabagismo, uso de álcool e drogas, aumento dos índices de sobrepeso e de obesidade, contribuem para a queda de fertilidade. Porém, há casos sem explicação e a ciência busca respostas. Um casal é considerado infértil se não conseguir engravidar após 12 ou mais meses de relações sexuais regulares desprotegidas, embora haja casos em que a gravidez seja alcançada após dois anos.

Compreender a origem da infertilidade é importante para desenvolver intervenções apropriadas e limitar os fatores de risco e as consequências. No primeiro módulo do curso, das 8h30 às 12h30, o tema será Fertilidade humana e planejamento familiar. Abrindo as atividades, a biomédica e geneticista Marcia Riboldi, VP Sales & Marketing Medical devices da Igenomix Brasil e Latam, falará sobre Fertilidade e cenário da fecundidade humana no Brasil e no mundo. Na sequência, os médicos ginecologistas e especialistas em reprodução assistida, Emerson Cordts e Ana Luiza Nunes, falarão, respectivamente, sobre Como os ginecologistas podem ajudar em relação à saúde reprodutiva?” e “Planejamento da gravidez: do congelamento de óvulos à triagem de risco de doenças raras”. Ao todo, o curso terá quatro módulos. Inscrições e programação completa emhttps://lnkd.in/deUTc2iY

Falta de financiamento: as técnicas de reprodução assistida são caras e pouco acessíveis

A OMS revela que, apesar da magnitude do problema, as soluções disponíveis para prevenir, diagnosticar e tratar (como as técnicas de reprodução assistida, incluindo a fertilização in vitro) continuam a receber financiamento insuficiente e são inacessíveis a muitas pessoas devido ao “alto custo, à estigma social e à baixa disponibilidade”.

Segundo os pesquisadores da entidade, na maioria dos países são os próprios afetados que, em grande parte, pagam por esses tratamentos, que costumam ser caros. Com a grande porcentagem de pessoas afetadas, torna-se necessário ampliar o atendimento, os tratamentos de fertilidade e as tecnologias de diagnóstico, mas sobretudo ampliar o acesso aos cuidados para todas as famílias. Esta questão não pode mais ser adiada tanto na pesquisa quanto na política de saúde.

Ainda segundo a OMS, mais de 5 milhões de crianças nasceram em todo o mundo de intervenções de reprodução assistida, como fertilização in vitro (FIV), mas ressalva que é importante ampliar a acessibilidade da população, particularmente em países de baixa e média renda. Afinal, os custos das tecnologias de reprodução assistida ainda não são acessíveis para toda a população.

A importância dos ginecologistas – Quando ir ao médico para a consulta de fertilidade? O recomendado é que um casal deve ir ao médico para avaliar sua infertilidade após um ano de tentativas. Mas especialistas alertam que visitas regulares ao ginecologista ajudam a detectar problemas de saúde que podem contribuir para a infertilidade. A fertilidade em humanos é de aproximadamente 15% a 20% ao mês, ou seja, no primeiro mês de relação sexual desprotegida, apenas 15 a 20 em cada 100 casais engravidam.

Tanto para a infertilidade feminina quanto para a masculina, estão previstos testes específicos para identificar as causas e eventuais patologias que possam suportar esta condição. Na primeira hipótese, os testes de fertilidade feminina mais relevantes são representados pelo estudo hormonal basal, ultrassonografia e histerossalpingografia. Eles permitem identificar as causas da falha na concepção e avaliar a abordagem terapêutica mais adequada e a oportunidade de recorrer ao tratamento de fertilização assistida para iniciar uma gravidez. A identificação do problema pelo casal e a primeira consulta ginecológica por infertilidade são de grande importância.

Planejamento da gravidez: do congelamento de óvulos à triagem de risco de doenças raras

Uma das opções para preservar a fertilidade é o congelamento de óvulos. Também chamado de criopreservação, em termos médicos, é um processo no qual os óvulos maduros são removidos dos ovários e congelados para preservação. Depois disso, eles são armazenados em uma instalação médica até que sejam necessários. Para utilizar os óvulos congelados será necessário o procedimento conhecido como fertilização in vitro (FIV). A melhor idade para o congelamento de óvulos é entre 20 e 35 anos, quando há um maior número de óvulos saudáveis armazenados nos ovários. Após os 38 anos a qualidade dos óvulos está normalmente muito diminuída e recomenda-se uma orientação individualizada sobre a qualidade e quantidade de óvulos necessários para obter uma boa chance de gravidez após o descongelamento.

A fertilização in vitro também é utilizada para evitar a transmissão de doenças hereditárias graves aos filhos. Esta opção, cada vez mais solicitada, previne a manifestação de doenças hereditárias nos descendentes, evitando a transmissão geração após geração. A técnica seleciona apenas embriões saudáveis, estudados geneticamente e gerados por técnicas de fertilização in vitro, antes de serem transferidos para o útero da mãe e ocorrer a gravidez.

O Teste Genético Pré-implantação (PGT-M) é a chave para detectar e evitar doenças hereditárias no tratamento de fertilização in vitro. Este teste permite selecionar apenas embriões saudáveis antes de transferi-los para o útero e ocorrer a gravidez. Torna-se, assim, a melhor opção reprodutiva para garantir o nascimento de crianças livres das doenças genéticas de seus pais. É um processo delicado que permite estudar os genes dos embriões obtidos em um tratamento de fertilização in vitro (FIV). Para isso, os embriões no estágio de blastocisto (cinco a seis dias de desenvolvimento) são manuseados com muito cuidado. Uma pequena biópsia é realizada, na região que dará origem à placenta, para extrair entre seis e oito células de cada embrião e enviar ao laboratório de genética para análise.

Quando um casal com uma doença hereditária deseja ter filhos, é necessário realizar um diagnóstico genético personalizado para descobrir a causa genética de sua patologia. Hoje é possível analisar e diagnosticar com sucesso uma grande parte dessas doenças, pois dispomos de tecnologia de genética molecular que identificam no DNA a alteração de um único gene de forma personalizada para cada família.

Sobre o curso – O curso de Atualização em Fertilidade para Jornalistas e Comunicadores traz aulas, com informação atualizada e baseada em evidência científica, com um formato ágil e do interesse de jornalistas (redação, assessorias de imprensa, blogs), divulgadores de ciências e demais todos profissionais que contribuem para a comunicação em saúde. Profissionais de geral ou outras editorias, interessados no tema, também estão convidados. Este é o segundo curso gratuito e presencial oferecido pela Igenomix aos comunicadores. Em junho de 2022, foi realizado o Curso de Atualização em Genética Médica.

Segue abaixo a programação.

8h30 às 10h30 – Módulo I – fertilidade humana e planejamento familiar

• Fertilidade e cenário da fecundidade humana no Brasil e no mundo – Marcia Riboldi (geneticista)
• Como os ginecologistas podem ajudar em relação à saúde reprodutiva? – Emerson Cordts (médico especialista em reprodução assistida)
• Planejamento da gravidez: do congelamento de óvulos à triagem de risco de doenças raras

10h30 às 12h30 – Módulo II – Suporte, acolhimento, inclusão e acessibilidade Esperança para novas famílias

• Impacto emocional e acompanhamento psicológico em reprodução assistida – Flávia Giacon (psicóloga)
• Bioética e acesso em reprodução assistida no Brasil e no mundo – Paula Barquero (medical manager)
• Projeto Nós Tentantes: voz, diversidade e inclusão – Karina Steiger e Pedro Corbetta (ex-pacientes)

12h30 às 13h30 – Almoço

13h30 às 15h30 – Módulo III – Presente e futuro da reprodução assistida

• Estamos vivendo um (R)evolução genética – Erivelton Laureano (consultor de negócios)
• Testes genéticos e prevenção de doenças graves – Caio Bruzaca (médico geneticista)
• Reprodução assistida moderna: efetividade e redução de riscos – Bruno Coprerski (geneticista)

15h30 às 16h – Fechamento

• Mitos e verdades sobre natalidade, fertilidade feminina e masculina e reprodução humana assistida

16h – TOUR nos laboratórios da Igenomix

Ficha técnica:
Curso gratuito e presencial de Atualização em Fertilidade para Jornalistas e Comunicadores
Data: 3 de junho de 2023 (sábado)
Horário: 8h às 16h
Local: Igenomix Brasil (sede nacional)
Endereço: Avenida República do Líbano, 500, Jardim Paulista, São Paulo – SP
Inscriçõeshttps://lnkd.in/deUTc2iY

Referência 

World Health Organization (WHO) – Infertility Prevalence Estimates, 1990–2021 – https://www.who.int/publications/i/item/978920068315 

Sobre a Igenomix – A Igenomix é um laboratório de biotecnologia que ajuda no sucesso dos tratamentos de Reprodução Assistida, diagnóstico e prevenção de Doenças Genéticas parte do grupo Vitrolife. Juntamente com clínicas e médicos em todo o mundo, investiga como a medicina de precisão, por meio da genômica, pode salvar vidas. Atuante em mais de 80 países, conta com 25 laboratórios genéticos. Com quase 500 publicações científicas e seis patentes, é um importante produtor de ciência em saúde reprodutiva e genética.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

A infertilidade é uma doença silenciosa e que a cada ano que passa vai atingindo mais pessoas…
Concentração de espermatozoides que os homens liberam durante a ejaculação caiu mais de 50% nos últimos 50…
Brasil realiza mais de 70 mil cirurgias bariátricas por ano: acompanhamento médico é essencial para garantir a…
Com a entrada em vigor da Resolução CFM Nº 2.336, ocorreram importantes mudanças nas regras relacionadas à…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS