Dez anos de vacinação: Março Lilás relembra a importância da imunização contra o HPV e prevenção ao câncer de colo de útero

Taxas de adesão vêm caindo e preocupam autoridades no país; Segundo o INCA, mais de 17 mil mulheres serão diagnosticados com tumores decorrentes da infecção viral

Março Lilás. O mês foi escolhido para conscientizar a população para o câncer de colo de útero, um dos tipos mais incidentes entre mulheres e que pode ser evitado com um medida simples: a vacinação, que entrou para o calendário oficial da população brasileira há exatos 10 anos. O imunizante protege o corpo do Papilomavírus Humano (HPV), vírus que é o principal causador da doença, correspondendo a quase 99% dos casos. A infecção sexualmente transmissível é a mais comum em todo o mundo, atingindo de forma massiva as mulheres.

Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), em 2024 cerca de 17.010 mulheres serão diagnosticadas com câncer do colo do útero no Brasil a cada ano, o que representa um risco considerado de 13,25 a cada 100 mil casos. Vale lembrar ainda que a doença é o terceiro tipo de câncer que mais afeta o público feminino, por isso, é muito importante que o diagnóstico seja feito o quanto antes para o início do tratamento.

Apesar desses números, as taxas de vacinação têm caído no país, o que vem levantando preocupações em todas as esferas da saúde e da sociedade brasileira. De acordo com dados recolhidos pelo Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos (EVA) no DataSUS, do Ministério da Saúde, houve queda de 72% da aplicação em meninas e 52% em meninos, nos períodos de 2015 a 2021 e 2018 a 2021, respectivamente.

“A tetravalente contra o HPV, atualmente disponível gratuitamente para meninas e meninos de 9-14 anos, e para adultos imunossuprimidos até 45 anos, protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do vírus, os principais causadores da doença. É preocupante para todos ver esse tipo de tumor avançando quando sabemos que ele é altamente prevenível”, comenta Marcela Bonalumi, oncologista da Oncoclínicas.

A taxa de infecção pelo HPV (papiloma vírus humano) atinge 54,4% das mulheres que já iniciaram a vida sexual e 41,6% dos homens. Os resultados são da pesquisa nacional sobre o tema, encomendada pelo Ministério da Saúde e feita por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS). Apesar disso, em 2022, entre as meninas, a primeira e a segunda dose tiveram, respectivamente, 75,91% e 57,44% de adesão. Entre os garotos, os valores são ainda menores: 52,26% na primeira aplicação e 36,59% na segunda.

Segundo o especialista, há estudos que comprovam que o vírus, além de estar diretamente ligado ao câncer cervical, também atinge cânceres de ânus, vulva, vagina, pênis e orofaringe.

De olho na prevenção

Diante dessa realidade, é importante reforçar que a ferramenta essencial na luta contra o câncer do colo do útero é a vacinação contra o HPV. “A imunização pode prevenir também o câncer de vulva, ânus e vagina nas mulheres e de pênis nos homens. Por isso, o ideal é que esse cuidado ocorra antes do início da vida sexual, evitando assim que haja uma exposição ao vírus”, diz a médica.

Além da vacinação, que é considerada uma prevenção primária, é importante realizar os exames de rotina ginecológica, como o Papanicolau (anualmente e depois a cada três anos), dos 25 aos 64 anos de idade. “Ele é muito importante para identificar lesões pré-cancerosas e agir rapidamente contra o câncer do colo do útero”, alerta Marcela. Vale lembrar ainda que os exames devem ser feitos mesmo se a mulher for vacinada contra o HPV, pois o imunizante não protege contra todos os tipos oncogênicos da doença.

Primeiros sinais

O câncer de colo de útero em estágios iniciais é assintomática, em estágios mais avançados sintomas como dor na relação sexual ou sangramento vaginal podem estar presentes. Por isso, o rastreamento com o exame Papanicolau de rotina é importante, pois é possível diagnosticar lesões pré cancerígenas ou iniciais.

Outros sintomas que podem estar presentes em estágios mais avançados são fraqueza decorrente da anemia, devido a perda de sangue, inchaço nas pernas e dores nas costas, problemas urinários ou intestinais e perda de peso não justificada. Os sangramentos podem acontecer durante a relação sexual, inclusive em mulheres que já estão na menopausa ou ainda fora do período menstrual. Por isso, é muito importante buscar o aconselhamento de um especialista ao notar sangramento vaginal anormal”, orienta a Marcela.

Ela explica que podem ser realizadas cirurgias, radioterapia e/ou quimioterapia. “Na cirurgia, ocorre a retirada do tumor, ou ainda do útero quando necessário. Quando a doença apresenta estágios mais avançados, são realizadas sessões de radioterapia e quimioterapia”.

Apesar da doença ser bastante silenciosa, quando descoberta precocemente pode haver uma redução de até 80% na mortalidade pelo câncer do colo do útero. “Muitas mulheres não descobrem na fase inicial. Sempre aconselho as pacientes a realizarem periodicamente seus exames de rotina, como o Papanicolau. Além disso, é fundamental que sejam consumidas informações de qualidade, sendo essa uma das principais aliadas ao combate do HPV”, finaliza Marcela Bonalumi.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

* Por Cadu Lopes O setor da saúde está em constante evolução, seja por conta dos rápidos…
Padrão cultural faz com que eles desenvolvam condições que poderiam ser revertidas Homens vão menos ao médico…
Ginecologista especialista em menopausa explica a diferença entre fim de menstruação e estar na menopausa A histerectomia…
Idealizado por Karina Steiger, mamãe por ovodoação, o Nós Tentantes, Projeto de Vida percorre cidades brasileiras com…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS