Dezembro Vermelho | Casais com HIV podem ter filhos livres do vírus: entenda como a técnica funciona

Pessoas soropositivas possuem opções seguras para realizar sonho; Especialista comenta sobre alternativas disponíveis

Desde a sua descoberta, o vírus da imunodeficiência humana (HIV) já passou por muitos momentos: se antes era visto como uma doença que resultava em diversos óbitos, hoje, o maior desafio dos soropositivos, no país, é o preconceito e a desinformação. Inclusive, esse tem sido apontado como uma das maiores dificuldades da campanha do Dezembro Vermelho, mês de conscientização para o tratamento de HIV e de outras infecções sexualmente transmissíveis.

E uma das principais dúvidas é em relação ao sonho de ter filhos: casais com o vírus podem ter acesso a tratamentos de reprodução assistida? E a resposta é: sim. Técnicas cada vez mais avançadas impedem que o vírus passe na gestação, no parto e na amamentação. Mais de um milhão de pessoas vivem com HIV no Brasil, estima o Ministério da Saúde. E, boa parte desse grupo está em idade reprodutiva e quer ter filhos.

“Hoje em dia, é possível  ter  qualidade de vida e viver a maternidade e paternidade caso seja o desejo. Assim como a ciência evoluiu no tratamento, diagnóstico e qualidade de vida das pessoas com HIV, ela também avançou em técnicas que permitem que o sonho se torne realidade. A FIV (Fertilização In Vitro) e a Inseminação Intrauterina são algumas delas, especialmente para os casos em que a mãe é soropositiva”, explica Edson Borges Jr, Diretor Científico do Instituto Sapientiae – Centro de Estudos e Pesquisa em Reprodução Assistida – e Diretor Médico no FERTGROUP.

Em situações como essa, é necessário uma preparação, que inclui estimulação ovariana, recuperação oocitária e preparo e seleção do sêmen. “As únicas restrições que os serviços de reprodução humana normalmente impõem é que as mulheres soropositivas não congelem óvulos, já que existe risco, mesmo que baixo, do material estar contaminado. Além disso, como ele é armazenado em um tanque comum, pode haver transmissão”, salienta.

Como funciona?

A Fertilização In Vitro consiste em fecundar o óvulo e o espermatozóide em ambiente laboratorial, formando embriões que serão cultivados, selecionados e transferidos ao útero da mulher.

Na inseminação intrauterina, uma técnica menos complexa, os espermatozóides são colocados no fundo do útero quando a mulher está ovulando. Espera-se que a trompa capture o óvulo, que os espermatozóides a penetrem e se unam ao óvulo, formando o embrião.

“Com as técnicas de preparo seminal e a ausência do vírus no plasma seminal, no caso do homem soropositivo para o HIV, a probabilidade de contaminação da parceira nos tratamento de fertilização in vitro até hoje, foi zero”, comenta o especialista.

Tratamento e acompanhamento

A especialista destaca e reforça que não são apenas os especialistas em reprodução que vão estar no processo: a paciente soropositiva precisa fazer acompanhamento com um infectologista. “Isso torna o manejo dos gametas mais seguro e mais fácil. E vale tanto para homens quanto para mulheres: ao chegar  com exame positivo, é necessário que um infectologista ateste que a contagem viral do paciente está muito baixa ou indetectável, reduzindo, dessa forma, o risco de infecção”, explica.

O que é importante ressaltar, especialmente durante esse mês, mas o tempo todo é que pessoas vivendo com o HIV tem uma vida normal e, embora a prevenção seja o mais importante, o preconceito é, sem dúvida, o cenário mais grave enfrentado.

“O Brasil sempre foi exemplo no acesso ao tratamento para o HIV e continua sendo. Ou seja, as maiores dificuldades encontradas pelas pessoas soropositivas aqui não são exatamente sociais, mas muitas vezes de falta de informação e preconceito. Isso não cabe mais. O sonho da maternidade e paternidade é para todos que a desejam”, finaliza Edson Borges.


Sobre o FERTGROUP

O FERTGROUP nasceu em 2023 como resultado de uma iniciativa de investimento e expansão liderada pelo Fundo de Private Equity da XP. Maior e mais inovador grupo especializado em reprodução humana do Brasil, atualmente está presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Distrito Federal por meio das marcas Fertility, Geare, Gerar Vida, Primórdia, Vida e Verhum.

Tendo como pilares o estabelecimento da confiança médica, excelência técnica e atendimento humanizado em todos os serviços, o FERTGROUP investe seus esforços no desenvolvimento de alternativas que contribuem para a democratização do acesso à saúde reprodutiva através da contínua expansão de sua presença geográfica e de novos modelos de financiamento, bem como na geração de informações para a sociedade em geral, comunidade médica e empresas.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Uma em cada dez mulheres no mundo podem sofrer com o problema de saúde De acordo com…
O principal cuidado em relação aos miomas é a realização de exames periódicos, afirma o  especialista em…
Diante do crescimento alarmante dos casos e mortes em 2024, a especialista do Hospital Digital Vitta, do…
Médica da BP conscientiza sobre as características das doenças e os métodos preventivos mais comuns, que envolvem…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS