Dra. Marise Samama é destaque em aula de preservação da fertilidade

A ginecologista palestrou sobre doenças autoimunes, monitoramento de endometriose, tumores ovarianos, entre outros temas

A presidente da AMCR (Associação Mulher, Ciência e Reprodução Humana do Brasil), Dra. Marise Samama, palestrou na 28º edição do Congresso Paulista de Obstetrícia e Ginecologia. A aula tinha como temática ‘Preservação da fertilidade feminina prévia à cirurgia ginecológica benigna (endometriose, mioma, tumores e cistos de Ovário) e foi realizada na sexta-feira (18), segundo dia de evento. Dra. Marise foi a única mulher presente na mesa.

A aula foi mediada pelo Dr. Artur Dzik, médico ginecologista com habilitação em Reprodução Assistida e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana. Além de Dra. Marise, também palestraram os médicos Dr. Pedro Monteleone, Dr. Luiz Henrique Gebrim e Dr. Giuliano Bedoschi, que, ao final, realizaram uma sessão de perguntas e respostas sobre a temática.

Durante sua palestra, que teve duração de quinze minutos, respeitando o tempo determinado pela organização do congresso, a ginecologista falou sobre diversas doenças que podem levar a diminuição do estoque de óvulos e ter indicação de preservação da fertilidade, como: doenças hematológicas, autoimunes, endometriose, tumores e cistos ovarianos recorrentes, doenças de herança genética, câncer, transgênero masculino, entre outros temas relacionados.

Sendo a única a falar sobre a questão de transgêneros e preservação da fertilidade, a Dra. afirma: “Temos que estar abertos a todos os pacientes que nos procuram e sempre pensar na inovação dos métodos”. Além disso, abordou a dificuldade que transgêneros enfrentam ao tentar engravidar, devido à falta de informação adequada e aos hormônios utilizados para a transição e à cirurgia de redesignação sexual.

Em relação aos tratamentos para preservação da fertilidade, Marise comenta que essa é uma questão individual de cada paciente: “Precisamos de uma individualização dos tratamentos de preservação da fertilidade, avaliar a severidade da doença que a pessoa enfrenta e os sintomas. Quanto à endometriose, doença que afeta 1 em cada 10 mulheres, 70% vai ter infertilidade e 50% vão precisar de tratamento de reprodução assistida”, afirma a médica.

Na explicação, a ginecologista traz informações sobre a preservação da fertilidade em casos de endometriose, tumores de ovário, transgênero masculino que podem precisar do congelamento de óvulos, adenomiose, mioma e malformação uterina. A Dra finaliza, informando que a estratégia de manejo de doença benigna dependerá da idade, da reserva ovariana e das prioridades de cada paciente.

Sobre a Associação Mulher, Ciência e Reprodução Humana do Brasil (AMCR)

A AMCR – Associação Mulher, Ciência e Reprodução Humana do Brasil – é uma entidade sem fins lucrativos, suprapartidária. Fundada em março de 2021, pela médica ginecologista, Prof. Dra. Marise Samama, possui 47 associadas, pós-graduadas da área da saúde, distribuídas em todas as regiões do Brasil. A associação é fruto da vontade dessas mulheres (cientistas, médicas, biomédicas e profissionais de saúde), que defendem a igualdade de oportunidade entre gêneros, reconhecimento e valorização da mulher e da ciência e atuação das mulheres nas áreas de saúde feminina e Reprodução Humana. Para saber mais informações, acesse o site.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Considerada a segunda doença mais frequente entre mulheres na sua fase reprodutiva, endometriose pode levar até sete…
Uma em cada dez mulheres no mundo podem sofrer com o problema de saúde De acordo com…
O principal cuidado em relação aos miomas é a realização de exames periódicos, afirma o  especialista em…
Diante do crescimento alarmante dos casos e mortes em 2024, a especialista do Hospital Digital Vitta, do…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS