54% das brasileiras não sabem identificar quando estão ovulando, diz estudo

Principalmente as mulheres dos 18 aos 24 anos, com 58% das participantes.

O processo de ovulação é a liberação de um óvulo do ovário para a trompa de Falópio. Normalmente, ocorre cerca de 13 a 15 dias antes do início de cada menstruação. E assim como a menstruação, o momento da ovulação pode variar de ciclo para ciclo. Porém, muitas mulheres só têm conhecimento sobre o processo de ovulação e da sua importância quando pensam em engravidar, ou estão nas suas tentativas.

Apesar da importância de acompanhar e conhecer o seu ciclo, e seu corpo, e conforme constatou a Famivita em seu mais recente estudo, 54% das brasileiras não sabem identificar quando estão ovulando. Principalmente as mulheres dos 18 aos 24 anos, com 58% das participantes.

Os dados por estado demonstram que, em Alagoas, 62% das participantes não sabem identificar o período da ovulação. No Rio de Janeiro, e no Espírito Santo, pelo menos 56% das respondentes desconhecem quando ovulam. Já no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, pelo menos 51% das entrevistadas não sabem identificar a ovulação. E em São Paulo, estado com um dos percentuais mais baixos, 49% não sabem identificar quando estão ovulando. Já o Mato Grosso do Sul, é o estado em que menos mulheres sabem sobre a sua ovulação, com 39% das entrevistadas.

Para as mulheres que não sabem quando estão ovulando, existem remédios que podem ser indicados pelo seu médico para regular os hormônios, e ajudar na identificação da ovulação. Porém, também existem opções naturais, que auxiliam no equilíbrio hormonal, uma delas é o Inhame. A diosgenina (presente no Inhame, e nas cápsulas de Inhame) que pode ser liberada como fito-hormônio no intestino, pode contribuir para a recuperação do equilíbrio hormonal.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Apenas 47% das pessoas que se declaram bi, lésbicas ou trans se consultam regularmente. Homens trans necessitam…
Como a integração de elementos de design melhora o bem-estar emocional dos pacientes  …
Para a Dra. Waleska de Carvalho, ginecologista e obstetra da AMCR, mudanças sociais e fatores de saúde…
Valores podem chegar a até R$ 50 mil no Brasil, e, mesmo assim, técnica não garante a…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS