Agosto dourado: auriculoterapia auxilia na amamentação

Lirane Suliano, especialista na prática integrativa, que é reconhecida pelo SUS e pelo Ministério da Saúde, explica como a técnica pode auxiliar na produção de leite materno e na analgesia de dores na amamentação

O aleitamento materno tem inúmeros benefícios para mãe e para o bebê. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam manter o aleitamento materno até os 2 anos de idade ou mais, oferecendo exclusivamente leite do peito até o seis mês de vida do bebê. O próprio Ministério da Saúde instituiu em 2017, o Agosto Dourado – mês dedicado a luta pelo incentivo à amamentação. Quando falamos de dados sobre amamentação no Brasil, os mais recentes são do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil, divulgado em 2021. A pesquisa revelou que metade das crianças brasileiras são amamentadas por mais de 1 ano e 4 meses. Além disso, o estudo também mostrou que no Brasil quase todas as crianças foram amamentadas alguma vez (96,2%). A especialista em auriculoterapia, Lirane Suliano explica como a terapia integrativa – reconhecida pelo SUS e pelo Ministério da Saúde – pode auxiliar no aleitamento materno.

“Existem pontos no pavilhão auricular que mantêm relação direta com hormônios e sistemas relacionados com a amamentação. Dois aspectos ganham destaque quando o assunto é dificuldade em amamentar: a baixa produção de leite e os casos de mastite. Podemos usar a auriculoterapia nessas dificuldades de amamentação e os pontos que estimulamos na orelha são os direcionados à glândula hipófise e às glândulas mamárias. Mas existe um outro fator que afeta muito a amamentação: a ansiedade das mães. Usar a auriculoterapia no tratamento para dificuldades na amamentação é viável pelo baixo custo e pela ausência de toxidade, uma vez que esse tratamento alopático não traz efeitos adversos para a mãe e nem para o bebê”, explica Lirane Suliano.

É consenso entre os profissionais de saúde, a OMS e o Ministério da Saúde, que o leite  materno  pode  garantir  a  sobrevida  para os bebês, em especial os que nascem com baixo peso. Além de ser o alimento ideal – exclusivo até os 6 meses de vida – existem diversos estudos que comprovam a redução da mortalidade infantil e da ocorrência de doenças como diarreias e alergias. No desenvolvimento dos bebês, quando chegam na fase adulta, a amamentação mostra-se de extrema importância, de acordo com diversas pesquisas, no que diz respeito a prevenção de doenças metabólicas, obesidade, diabetes e hipertensão. Quando falamos da saúde materna, a amamentação traz benefícios como: retorno do peso antes da gestação, proteção contra o câncer de mama e útero, entre outros.

Entretanto, o processo de amamentar não é apenas instintivo. Sendo assim, amamentar pode ser um processo doloroso e complicado para uma porcentagem de mães. Dessa forma, aspectos psicológicos, sociais e culturais podem interferem na amamentação ou na continuidade da lactação materna. Entre as causas mais comuns que afetam as mães estão: a hipogalactia (atraso ou falha na descida do leite materno após 72 horas no período pós-parto) e a mastite (inflamação aguda dos tecidos da mama). Na lista de aspectos psicológicos, que podem interferir na amamentação, estão a ansiedade e a depressão, como mostrou um estudo realizado por uma pesquisadora da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, com mães atendidas pelo Sistema de Saúde Único (SUS).

“Estudos e revisões de trabalhos científicos indicam a melhora na produção dos hormônios responsáveis pela amamentação, que são a prolactina e a ocitocina, com as sessões de auriculoterapia. Essas pesquisam indicam uma melhora na produção de leite materno até 24 horas após a realização da técnica. A prática clínica tem revelado ser altamente benéfico o uso da auriculoterapia em mães que amamentam, pois além de reduzir a ansiedade e proporcionar maior relaxamento sem o uso de medicamentos, traz benefícios fisiológicos como, por exemplo, estimular a produção de leite, em casos de hipogalactia e na analgesia de dores e redução de inflamação que podem ocorrer durante a amamentação, causadas em geral pela mastite”, acrescenta a especialista em auriculoterapia, Lirane Suliano.

Sobre Lirane Suliano:

É cirurgiã-dentista, mestre e doutora pela UFPR. Especialista em Acupuntura e docente da pós-graduação nas áreas de Auriculoterapia, Eletroacupuntura e Laser puntura, já ministrou aulas para mais de 6 mil alunos, desde 2010, quando iniciou como docente de acupuntura e auriculoterapia em universidades. Autora do livro “Atlas de Auriculoterapia de A a Z”, obra em sua 5ª Edição, é hoje referência no Brasil no ensino dessa técnica, sendo responsável pela criação da pós-graduação em Auriculoterapia Neurofisiológica, na Universidade Focus, em Cascavel, no Paraná, e por cursos on-line, formando profissionais no Brasil e em diversos países, dentre eles, Argentina, Canadá, Alemanha, Irlanda, Itália, Malásia, México, Holanda, Panamá, Portugal, Ruanda, Emirados Árabes, Uruguai e Estados Unidos. A especialista já ultrapassou as fronteiras brasileiras e teve a oportunidade de compartilhar seus conhecimentos em Congressos internacionais dos quais participou na Universidade de Harvard; em Beijing, na China; Munique, Chicago, Barcelona e Dubai.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

A Evolution orgulhosamente destaca a iluminação do Congresso Nacional na cor laranja, uma iniciativa importante da revista…
Médica detalha as principais causas, métodos de diagnóstico e opções de tratamento Entender qual a diferença entre…
Artigo científico que conta com a autoria de associados da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) demonstrou…
Durante o mês da Conscientização sobre a Infertilidade, o “Nós Tentantes, Projeto de Vida” idealizado por Karina…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS