Projeto gen-t do Brasil: QIAGEN é a empresa selecionada para ajudar na construção do primeiro banco de dados genéticos do país

  Multinacional especialista em tecnologia para diagnósticos moleculares firma parceria com a biotech gen-t, em iniciativa pioneira que leva como propósito mapear o diverso genoma brasileiro, como base para a medicina de precisão

A diversidade da população brasileira sempre foi um grande desafio para o desenvolvimento da medicina de precisão em solo nacional; uma vertente da saúde que busca aliar dados tradicionais de diagnóstico, tratamento, sintomas e histórico familiar ao perfil genético de cada pessoa. Visando contribuir para a mudança e evolução deste cenário, a QIAGEN – multinacional alemã, especialista em tecnologia para diagnósticos moleculares -, acaba de anunciar sua participação em uma das iniciativas mais relevantes e que promete revolucionar as condutas médicas do país: o Projeto gen-t do Brasil.

Viabilizado pela biotech gen-t – startup nascida sob o propósito de unir genética, tecnologia e seres humanos, e liderada por Dra. Lygia da Veiga Pereira, pesquisadora responsável por produzir a primeira linhagem de células-tronco embrionárias em território nacional – o Projeto gen-t do Brasil tem como objetivo criar o primeiro e maior banco genético privado do país, por meio do sequenciamento do genoma de 200 mil pessoas, provenientes de diversas regiões da nação. Trata-se de uma plataforma de pesquisa que contribuirá no desenvolvimento da área da saúde para todos, realizando o amplo estudo genômico da população brasileira em toda sua diversidade e miscigenação.

Além de Dra. Lygia, o projeto conta ainda com o envolvimento de geneticistas renomados. Entre eles, Tábita Hünemeier, doutora em genética de populações com ênfase no estudo de populações nativas e miscigenadas da América e Professora da USP; e Alexandre Pereira, médico cardiologista, PhD, pesquisador e associado em genética na Faculdade de Medicina de Harvard.

“Vamos inserir a nossa população em medicina de precisão. A partir dos dados que vamos gerar, podemos desenvolver diagnósticos genéticos de pessoas não europeias, para gente não branca, já que 80% do que conhecemos sobre genomas humanos vêm de populações brancas da Europa e dos Estados Unidos. Além disso, esses dados aceleram o desenvolvimento de novos medicamentos. É um motor de inovação para a indústria farmacêutica e de biotecnologia no Brasil e no mundo. A qualidade do DNA armazenado em nosso biobanco é fundamental para o sucesso das análises posteriores, entendemos que a QIAGEN oferece soluções com a qualidade e escala necessárias para o projeto da dimensão do da gen-t”, comenta Dra. Lygia da Veiga Pereira, pesquisadora e CEO da iniciativa.

De acordo com Carolina Souza, Head de Marketing para Life Sciences da QIAGEN na América Latina, a biotech gen-t é definitivamente a consolidação da nova era da biologia molecular, tendo a genética como principal ferramenta na evolução científica e clínica do país. “A inovação da startup atrelada à tecnologia de ponta, qualidade no preparo das amostras e otimização dos fluxos laboratoriais através de métodos automatizados oferecidos pelas soluções QIAGEN, contribuem para que a criação do primeiro banco de dados genéticos do Brasil seja um projeto exitoso e com dados de qualidade. Entendendo como se compõe geneticamente uma população, especialmente uma tão miscigenada quanto a população brasileira, aliado a fatores ambientais e de comportamento, é possível sugerir tratamentos preventivos e diagnósticos personalizados, aumentando as chances de sucesso em qualquer metodologia aplicada”, destaca.

Diante do desafio em sequenciar um alto número de amostras, as coletas já foram iniciadas no estado de São Paulo e a expectativa é chegar a 20 mil participantes até fevereiro de 2023 e a 200 mil em cinco anos. Em parceria inaugural com o dr.consulta, as empresas estão recrutando participantes na cidade de São Paulo e pretendem expandir para o Brasil. A ampliação para mais localidades do país está sendo estruturada com mais empresas de saúde participantes do projeto.

Para fazer parte da pesquisa, é necessário ter mais de 45 anos, concordar com o termo de consentimento, preencher um questionário base de saúde, e realizar uma coleta de sangue inicial em uma unidade parceira. A gen-t ficará responsável por receber e analisar o material, realizar o sequenciamento genético e divulgar os resultados aos participantes.

Para mais informações sobre o Projeto gen-t do Brasil, acesse: https://gen-t.science/gent-do-brasil  

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

A Evolution orgulhosamente destaca a iluminação do Congresso Nacional na cor laranja, uma iniciativa importante da revista…
Médica detalha as principais causas, métodos de diagnóstico e opções de tratamento Entender qual a diferença entre…
Artigo científico que conta com a autoria de associados da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) demonstrou…
Durante o mês da Conscientização sobre a Infertilidade, o “Nós Tentantes, Projeto de Vida” idealizado por Karina…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS