Especialistas explicam como o luto materno e a nova política de humanização apoia milhares de mulheres

A Política Nacional de Humanização do Luto Materno e Parental foi aprovada em abril de 2024 pela Câmara e agora está em análise no Senado

Com a aprovação da Política Nacional de Humanização do Luto Materno e Parental pela Câmara, o atendimento humanizado e destinado às mães, pais e familiares no momento do luto por perda gestacional, óbito fetal e neonatal estará assegurado. Entre os diferenciais apontados pela nova política, está a necessidade de as gestantes que sofreram com a perda de seus bebês serem acomodadas em ala separada nos hospitais onde deram à luz. O texto é de autoria da deputada Geovania de Sá (PSDB-SC), e aproveitou-se o material da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher.

Dados divulgados pelo Painel de Monitoramento da Mortalidade Infantil e Fetal, em 2023, mostram que foram registradas 20,2 mil mortes, o menor de uma série histórica desde 1996. O número representa queda de 62% das mortes até 1 ano, se comparado com o início do monitoramento, quando o total ficou em 53,1 mil. Apesar da queda nos números, ainda é alarmante. Segundo a psicóloga e especialista em luto, Lília Lavor, o luto é um processo natural, uma reação esperada diante da perda de algum vínculo importante.

“Quando falamos de luto, falamos do rompimento de um vínculo que estrutura nossa identidade de alguma forma, que nomeia nosso lugar no mundo. Quando a questão é a perda perinatal, é sobre alguém que espera algo que não chega, que não vai ser apresentado para a família, que não vai responder à expectativa. A morte de um bebê é o fim de uma narrativa construída no imaginário familiar, a interrupção de inúmeras possibilidades”, explica a especialista que faz parte do Cuida, um projeto cujo objetivo é estimular a prática do cuidado entre as pessoas.

Quais as principais necessidades que uma mãe enlutada necessita?

A invalidação do luto tem potencial traumático e não é raro perceber essa dinâmica em frases como “calma, você é jovem, poderá ter outros filhos”, “pelo menos ainda não tinha nascido”. O não reconhecimento desse sofrimento sufoca as emoções que envolvem a perda. “A vivência desse processo é complexa e intensa, podendo ter impacto nas dimensões física, psíquica, espiritual e social, mas é por meio desse processo que é possível construir novas formas de funcionar no mundo sem a pessoa amada”, explica a psicóloga Lília.

A médica paliativista e intensivista, Carol Sarmento, complementa que a maior ajuda e estratégia que as pessoas próximas podem ter é dar espaço para que a pessoa entre em contato com a dor, fale dela, vivencie e sinta o luto. “Somente assim a pessoa enlutada poderá elaborar e lidar melhor com o luto. Não existe um tempo pré-determinado para durar o luto. O tempo necessário para elaboração da perda e para a vivência do luto é individual e variável de pessoa para pessoa; quanto mais validado o luto seja, melhor a capacidade de elaboração da perda”, explica a idealizadora do projeto Cuida.

“Percebo uma tendência social em pouco validar o luto perinatal, que inclui as perdas ocorridas na gestação a partir da 22ª semana até completar 29 dias de vida do bebê. Nessas questões do luto perinatal, especialmente, há que se ter um cuidado extremo durante gestações de alto risco, nas comunicações com a gestante e familiares, até nos cuidados e vigilância pós-óbito. A perda gestacional/neonatal é socialmente desconsiderada, o que torna esse luto pouco reconhecido, em que o enlutado não se sente autorizado a expressar a dor da sua perda e seu luto”, conclui Carol Sarmento.

Sobre o luto perinatal e a relação do médico e paciente

A paliativista e intensivista, Carol Sarmento, explica que além de uma comunicação empática e adequada para dar a má notícia, é preciso demonstrar uma postura sem julgamentos das escolhas que a família ou a mãe tenham tomado no cenário: “é importante estimular e encorajar o contato da mãe e do bebê, no sentido de permitir que sejam criadas memórias e recordações. É preciso permitir que a mãe fique com o filho o maior tempo possível, prover uma estrutura física acolhedora para que essas interações sejam possíveis, preparar a família para o contato com o bebê natimorto”

“Explicar como vai estar a pele, o aspecto, se tem alguma má formação, limpar sem dar banho, vestir o bebê, chamar o bebê pelo nome, estar perto dessa família e especialmente dessa mãe com uma distância respeitosa. Também é importante auxiliar a guardar recordações, fazer registros fotográficos, estimular a caixinha de memórias do bebê com mechinha de cabelo, fotos, impressão plantar e palmar, carimbo da placenta e pulseira de identificação. Pode ser acolhedor e importante a equipe prover um cartão ou lembrança carinhosa para essa mãe e família”, explica Carol sobre como o profissional de saúde pode lidar com quem vive o luto.
SOBRE O CUIDA – O Cuida é um projeto idealizado pela médica intensivista e paliativista Carol Sarmento, cujo objetivo é estimular a prática do cuidado entre as pessoas. Com uma abordagem moderna e escrita facilitada, seu propósito se baseia na produção de conteúdo digital em diversas plataformas, alertando sobre a importância do cuidado e do autocuidado para bem viver. Aqui, o cuidado é apresentado por uma equipe de multiespecialistas como uma jornada acolhedora, responsável e flexível, buscando aumentar a autonomia e o protagonismo das pessoas em relação à sua saúde.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Segundo José Todescan Júnior, membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética, a adoção de uma rotina prática…
Além de palestras, edição contará com lançamento da campanha de prevenção à gravidez na adolescência e lançamento…
Ginecologista do CEJAM desmitifica o tema em entrevista A pílula do dia seguinte, um método contraceptivo de…
Especialista destaca a importância do planejamento reprodutivo em meio à crescente tendência de gravidez tardia Trinta e…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS