FEBRASGO lança “Manual de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento da Dengue na Gestação e no Puerpério”

Em parceria com o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde, o documento traz os cuidados específicos para este público classificado como grupo de risco  

Nesta última sexta-feira (1), a Federação Brasileira de Ginecologia Obstetrícia (FEBRASGO), em parceria com o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), lançou o “Manual de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento da Dengue na Gestação e no Puerpério”. O documento aborda os cuidados diferenciados para o público em questão, e diante do aumento no número de gestantes com dengue e do risco elevado de formas graves nesse grupo, delineia-se um cenário de saúde pública que demanda atenção especializada.

A publicação do material se torna ainda mais importante, pelos dados que foram coletados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação, da Coordenação-Geral de Vigilância de Arboviroses do Ministério da Saúde, mostrando um aumento de 345,2% nos casos de dengue em mulheres grávidas nas primeiras seis semanas deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, no Brasil.

O Ministério da Saúde destacou durante o evento que no início do mês de fevereiro, houve um avanço significativo no fortalecimento de todas as ações em resposta à situação da Dengue no País, sendo instalado o Centro de Operações de Emergências para o enfrentamento da Dengue e de outras arboviroses. Essa medida representa uma estratégia amplamente adotada globalmente para lidar com questões de relevância para a saúde pública, não necessariamente uma emergência nacional ou internacional, mas sim uma abordagem organizada para uma resposta coordenada a eventos de importância para a saúde pública, independentemente de serem ou não uma emergência de saúde pública. Todas as secretarias do Ministério da Saúde participam deste centro de operações, e, além do ministério, inclui a FIOCRUZ, OPAS, CONAS e CONASEMS.

Durante a solenidade, a presidente da FEBRASGO, Dra. Maria Celeste Osório Wender, destacou a importância do grupo de trabalho (GT) – composto por 16 especialistas em ginecologia e obstetrícia, incluindo membros da Comissão Nacional Especializada (CNE) de Doenças Infectocontagiosas da FEBRASGO – na concepção e construção do Manual que permitirá a todos os profissionais de saúde do Brasil uma abordagem especializada ao tratamento de mulheres grávidas e puérperas com Dengue: “Eu tenho que expressar muito a minha satisfação de poder presidir a FEBRASGO neste momento, e com a colaboração de pessoas que se dedicam ao trabalho, podermos estar representados aqui com esta significativa contribuição, que é este Manual. Nosso objetivo é unir esforços e trabalhar em prol da saúde da mulher brasileira, e temos o desejo fervoroso de intensificar nossa atuação com ainda mais qualidade e intensidade. Muito obrigada e parabéns ao nosso grupo de trabalho”.

Também estiveram presentes no lançamento, membros do grupo de trabalho (GT), como o Dr. Antônio Braga, também Coordenador Estadual da Saúde das Mulheres no Rio de Janeiro, o Dr. Geraldo Duarte, vice-presidente da Comissão Nacional Especializada em doenças infectocontagiosas da FEBRASGO e o Dr. Regis Kreitchmann, atual presidente da Comissão Nacional Especializada em Doenças Infectocontagiosas da FEBRASGO, e a dra Roseli Nomura, diretora administrativa da FEBRASGO. Durante sua apresentação, Dr. Braga abordou os conceitos técnicos disponíveis no material e reforçou a importância do cuidado assistencial especializado às mulheres grávidas e puérperas com sintomas de Dengue: “Uma vez infectadas, as gestantes têm maiores chances de apresentar desfechos desfavoráveis em comparação com as não gestantes. Portanto, esse grupo é de especial interesse e cuidado. Este protocolo servirá como diretriz abrangente para a prevenção, tratamento e diagnóstico, contribuindo significativamente para a segurança e bem-estar das gestantes e puérperas durante esse período crítico”, enfatiza o especialista”.

Muito emocionado, Dr. Geraldo Duarte relembrou seu trabalho com gestantes de risco e a infeliz experiência de perder pacientes gestantes para a Dengue, e reforçou a importância do Manual como apoio para os profissionais da Saúde: “Eu digo que o manual é um recém-nascido que já nasce com a responsabilidade de cuidar. Nós temos um compromisso com a saúde das mulheres grávidas e puérperas. O objetivo desse material é auxiliar as equipes de Saúde no atendimento a estas pacientes.”

“A FEBRASGO demonstra sua preocupação com a saúde das gestantes e puérperas. A nossa prioridade é garantir a saúde da gestante e do bebê, por isso atuamos para orientar e capacitar os ginecologistas e obstetras de todo o país. Este guia de orientações é de extrema importância para a saúde pública, especialmente diante do que pode ser a pior epidemia de dengue já registrada no Brasil, com as gestantes e potencialmente as puérperas representando um grupo de alto risco de mortalidade”, finaliza a presidente da FEBRASGO.

Em complemento às iniciativas relacionadas à Dengue, a FEBRASGO promoverá outras ações, entre elas uma transmissão ao vivo em seus canais digitais no próximo dia 5 de março, às 19h, abordando a epidemia da dengue no Brasil e na gestação.

Para mais detalhes, o “Manual de Prevenção, Diagnóstico e Tratamento da Dengue na Gestação e no Puerpério” está acessível no site da FEBRASGO: Link

Principais recomendações às gestantes

Gestantes devem priorizar o uso de repelentes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como picaridina, icaridina, N,N-dietil-meta-toluamida (DEET), IR 3535 ou EBAAP. O Dr. Antônio Braga destaca que repelentes naturais, como óleos caseiros de citronela, andiroba e capim-limão, carecem de eficácia comprovada e não possuem aprovação da Anvisa até o momento.

Dado que não há medicamentos específicos para combater o vírus da dengue, em casos de menor gravidade, sem sinais de alarme, a orientação é repouso e aumento da ingestão de líquidos. Gestantes com dengue requerem avaliação diária, incluindo repetição do hemograma até 48 horas após a febre desaparecer. Para casos mais simples, o acompanhamento ambulatorial é recomendado. Entretanto, se o estado for grave, com sinais de alarme, a internação é indicada. Em situações de choque, sangramento ou disfunção grave de órgãos, a paciente deve receber tratamento em uma unidade de terapia intensiva.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

* Por Cadu Lopes O setor da saúde está em constante evolução, seja por conta dos rápidos…
Padrão cultural faz com que eles desenvolvam condições que poderiam ser revertidas Homens vão menos ao médico…
Ginecologista especialista em menopausa explica a diferença entre fim de menstruação e estar na menopausa A histerectomia…
Idealizado por Karina Steiger, mamãe por ovodoação, o Nós Tentantes, Projeto de Vida percorre cidades brasileiras com…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS