Fertilidade e câncer: técnicas de reprodução assistida promovem alternativas para realização do sonho da maternidade

Apesar do aumento de diagnósticos da doença em pacientes jovens, novos caminhos podem contornar os desafios de mulheres que desejam ter filhos no futuro

Para muitas mulheres, o sonho da maternidade faz parte de um projeto de vida, tornando cada história única. A decisão de ter filhos traz à tona uma etapa importante de planejamento, adaptada à realidade e aos desafios dos futuros pais.

Um deles, muitas vezes pouco discutido, é a descoberta do câncer de mama durante a idade fértil, que costuma causar apreensão quanto a necessidade de adaptar os planos iniciais e recalcular a rota. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca) é estimado que só em 2023 serão diagnosticados 73.610 novos casos da doença no Brasil, que é o tipo mais incidente no público feminino, com exceção do câncer de pele não melanoma.

Um estudo realizado pelo Instituto do Câncer de São Paulo notou um aumento significativo de diagnósticos de câncer de mama em mulheres com menos de 40 anos. Durante a pesquisa, aproximadamente 500 mulheres jovens foram atendidas e 68% delas já estavam com o tumor em estágio avançado.

Outra comparação realizada foi sobre o registro da doença em outros países: enquanto nos Estados Unidos 5% das pacientes possuem menos de 40 anos, no Brasil são 15%. “Muitas pacientes jovens nos procuram com o sonho de engravidar. O ideal é que esse planejamento aconteça logo no início do tratamento, pois a quimioterapia, radioterapia e até mesmo cirurgia podem acabar afetando a fertilidade por promoverem lesões nos ovários. Contudo, com o avanço das novas tecnologias, temos alternativas que contornam essa trajetória, como é o caso da preservação de óvulos através do congelamento”, explica Edson Borges Jr, Diretor Científico do Instituto Sapientiae – Centro de Estudos e Pesquisa em Reprodução Assistida – e Diretor Médico no FERTGROUP.

E, indo além do câncer de mama, o especialista ressalta que a orientação para outros tipos de tumores é a mesma e sempre deve ser discutida com uma equipe multidisciplinar. “Independente do tipo de câncer e do tratamento realizado, devemos sempre entender a história de vida daquela paciente e considerar seus sonhos futuros”.

Diante do cenário atual, em que a mulher deixa para engravidar cada vez mais tarde, coincidentemente pode ocorrer de, neste mesmo momento, ela ser surpreendida com um diagnóstico de câncer, o que pode colocar em risco o sonho da gravidez. É o que explica a Dra. Maria Cecília Erthal, especialista em reprodução assistida do Instituto Vida, uma das unidades do FERTGROUP, no Rio de Janeiro.

“Por isso, o acompanhamento da fertilidade deve começar por volta dos 25 anos, muito antes de qualquer possibilidade de diagnóstico de câncer. Esse cuidado pode auxiliar em um congelamento antecipado dos óvulos, que atua como uma forma de preservar desde cedo a fertilidade, caso haja alguma intercorrência no processo”.

Um novo caminho

O objetivo da oncofertilidade é hoje muito mais amplo, deixando no passado a não importância dos prejuízos do tratamento, que muitas vezes impactavam no bem-estar físico, mental e social das mulheres com câncer.

Apesar do congelamento de óvulos ser a técnica mais comum, há também a possibilidade do congelamento de embriões, do tecido ovariano e da supressão ovariana. “Esse é um processo muito delicado e que deve ser levado em consideração cada possibilidade e os desejos da família. Um olhar que vai além da saúde física, cuidando também da parte emocional daquela paciente, é a chave para que a trajetória seja a mais leve possível dentro de todos os desafios propostos”, orienta Maria Cecília Erthal.

Para a realização do processo de congelamento de óvulos, é inicialmente feito a indução da ovulação através de medicamentos que estimulam o desenvolvimento e amadurecimento dos óvulos. Em seguida, com a paciente sedada, é feita a coleta dos óvulos para posteriormente ser realizada a seleção daqueles que estão saudáveis. Quanto ao congelamento, a técnica é feita com nitrogênio líquido, mantendo os óvulos à disposição da paciente para uma gravidez no futuro.

“É fundamental que a paciente converse com o seu médico sobre os tratamentos disponíveis para a preservação da fertilidade. Contudo, vale destacar que nem toda paciente submetida ao tratamento oncológico ficará infértil. Isso irá depender do tipo do tumor, localização no corpo, terapias realizadas e sua intensidade”, reforça a médica.

ANS pode cobrir o tratamento de preservação da fertilidade para pacientes oncológicas?

Apesar de ainda ser um tema bastante discutido, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu que as operadoras de planos de saúde possuem a obrigatoriedade de custear a criopreservação (processo de congelamento de óvulos ou sêmen) de pacientes oncológicos até a alta do tratamento de quimioterapia.

Segundo o órgão, é entendido que se o plano de saúde cobre o tratamento, deve prevenir também os efeitos adversos previsíveis – como é o caso da infertilidade. Contudo, após esse período, o tratamento de reprodução assistida deve ser realizado de maneira individual.

“A paciente que passará pela criopreservação é protegida pelo Código de Defesa do Consumidor. Por isso, caso o plano de saúde apresente uma negativa, é possível recorrer à decisão para que o congelamento seja mantido até o final da quimioterapia”, finaliza Edson Borges.


Sobre o FERTGROUP

O FERTGROUP nasceu em 2023 como resultado de uma iniciativa de investimento e expansão liderada pelo Fundo de Private Equity da XP. Maior e mais inovador grupo especializado em reprodução humana do Brasil, atualmente está presente em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Distrito Federal por meio das marcas Fertility, Geare, Gerar Vida, Primórdia, Vida e Verhum.

Tendo como pilares o estabelecimento da confiança médica, excelência técnica e atendimento humanizado em todos os serviços, o FERTGROUP investe seus esforços no desenvolvimento de alternativas que contribuem para a democratização do acesso à saúde reprodutiva através da contínua expansão de sua presença geográfica e de novos modelos de financiamento, bem como na geração de informações para a sociedade em geral, comunidade médica e empresas.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

A Evolution orgulhosamente destaca a iluminação do Congresso Nacional na cor laranja, uma iniciativa importante da revista…
Médica detalha as principais causas, métodos de diagnóstico e opções de tratamento Entender qual a diferença entre…
Artigo científico que conta com a autoria de associados da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) demonstrou…
Durante o mês da Conscientização sobre a Infertilidade, o “Nós Tentantes, Projeto de Vida” idealizado por Karina…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS