Fisioterapia X endometriose: sessões voltadas ao assoalho pélvico diminuem dor e inchaço

Técnicas “ensinam” musculatura a relaxar e a coordenar contrações, o que evita espasmos e reduz outros sintomas

Dor pélvica, inclusive durante a relação sexual, é um dos sintomas que podem afetar as mulheres que têm endometriose – condição em que o tecido que reveste o útero cresce para fora do órgão e que atinge cerca de 10% das mulheres em idade fértil, segundo a Organização Mundial da Saúde. Por isso, a fisioterapia do assoalho pélvico pode ser um importante recurso no tratamento, juntamente com o uso de analgésicos, terapias hormonais e, em alguns casos, a cirurgia.

“O aperto dos músculos do assoalho pélvico, que ocorre com a endometriose, pode dificultar a penetração vaginal, trazendo dor durante a relação sexual e até mesmo ao usar absorvente interno. A fisioterapia melhora a função, a flexibilidade e a força dessa musculatura e a ‘ensina’ a ter coordenação e relaxamento, o que pode contribuir para aliviar esse e outros sintomas da endometriose”, explica o médico Patrick Bellelis, colaborador do setor de endometriose do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

Segundo o especialista, o inchaço é outro sintoma comum. A ‘barriga endo’ pode ocorrer quando a inflamação causa um acúmulo de tecido e o aperto do assoalho pélvico leva à distensão do abdômen. A fisioterapia também ajuda nesses casos, pois reduz a inflamação, a constipação e os espasmos, o que pode diminuir a distensão na região abdominal.

“Há uma variedade de técnicas, como massagem profunda, exercícios do assoalho pélvico e mobilização conjunta, que promovem um ‘treinamento’ dos músculos pélvicos, para que eles possam relaxar e coordenar contrações. Isso reduz sintomas como dor pélvica, dor nas costas, dor ao urinar e movimentos intestinais dolorosos”, aponta a fisioterapeuta Marília Frare, que faz o tratamento das pacientes na clínica Bellelis.

Esse tipo de terapia também é usada para aliviar outros distúrbios da dor pélvica, como vulvodínia e neuralgia do pudendo. Segundo Bellelis, as mulheres que vivem com endometriose costumam sentir menos dor após seis sessões. “O mais indicado é que o fisioterapeuta do assoalho pélvico faça uma avaliação para determinar o melhor curso de terapia”, encerra o médico.

Clínica Bellelis – Ginecologia

O ginecologista Patrick Bellelis é Doutor em Ciências Médicas pela Universidade de São Paulo (USP); graduado em medicina pela Faculdade de Medicina do ABC; especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Laparoscopia e Histeroscopia pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo); além de ser especialista em Endoscopia Ginecológica e Endometriose pelo Hospital das Clínicas da USP. Possui ampla experiência na área de Cirurgia Ginecológica Minimamente Invasiva, atuando principalmente nos seguintes temas: endometriose, mioma, patologias intrauterinas e infertilidade. Fez parte da diretoria da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE) de 2007 a 2022, além de ter integrado a Comissão Especializada de Endometriose da FEBRASGO até 2021. Em 2010, tornou-se médico assistente do setor de Endometriose do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas da USP; em 2011, tornou-se professor do curso de especialização em Cirurgia Ginecológica Minimamente Invasiva — pós-graduação lato sensu, do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês; e, desde 2012, é professor do Instituto de Treinamento em Técnicas Minimamente Invasivas e Cirurgia Robótica (IRCAD), do Hospital de Câncer de Barretos.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

* Por Cadu Lopes O setor da saúde está em constante evolução, seja por conta dos rápidos…
Padrão cultural faz com que eles desenvolvam condições que poderiam ser revertidas Homens vão menos ao médico…
Ginecologista especialista em menopausa explica a diferença entre fim de menstruação e estar na menopausa A histerectomia…
Idealizado por Karina Steiger, mamãe por ovodoação, o Nós Tentantes, Projeto de Vida percorre cidades brasileiras com…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS