Ginecologista explica a relação entre alimentação e fertilidade masculina

Dra. Janine Nascimento detalha como uma dieta equilibrada pode melhorar a saúde reprodutiva masculina e destaca os alimentos que promovem e aqueles que prejudicam a qualidade do sêmen

A relação entre a dieta e a fertilidade masculina é frequentemente subestimada, mas é uma área de crucial importância, especialmente em casos de infertilidade conjugal onde, em aproximadamente 50% dos casos, o fator masculino é a causa. Dra. Janine Nascimento, ginecologista associada da Associação Mulher Ciência e Reprodução Humana do Brasil (AMCR), explica que é necessário não apenas focar na saúde reprodutiva das mulheres, mas também nas dos homens, que podem ser significativamente impactados por suas escolhas dietéticas.

Os espermatozoides, particularmente vulneráveis ao estresse oxidativo devido à sua composição e processo de formação, podem ter sua qualidade afetada negativamente por hábitos alimentares inadequados. Antioxidantes presentes em alimentos ricos em ômega-3, vitaminas E e C, e minerais como selênio e zinco, são essenciais para proteger o DNA espermático contra danos que podem comprometer a fertilidade.

Por outro lado, dietas ricas em carnes processadas, alimentos à base de soja, e outros itens como laticínios integrais e álcool, têm mostrado um impacto negativo na qualidade do sêmen. Esses dados ressaltam a importância de escolhas alimentares conscientes como parte de uma estratégia para melhorar a saúde reprodutiva masculina.

Dra. Janine também comenta sobre o estudo FAZST, que investigou os efeitos da suplementação de ácido fólico e zinco na qualidade do sêmen. O estudo não demonstrou impacto significativo na melhoria dos parâmetros básicos de análise do sêmen ou nas taxas de nascimento vivo.

No entanto, há esperança através de suplementos alimentares formulados especificamente para melhorar a saúde reprodutiva masculina. Um desses suplementos contém uma combinação de betaina, cistina, zinco, niacina, ácido fólico e vitaminas B2, B6 e B12, que ajudam na regulação do estresse oxidativo e no metabolismo da homocisteína. A utilização dessa suplementação mostrou um aumento de 7,3% no número de gestações em comparação com um grupo placebo.

Dra. Janine enfatiza que uma abordagem equilibrada para a nutrição não só é benéfica para a saúde geral, mas também pode ser crucial na melhora da fertilidade masculina. Comer bem é, sem dúvida, uma forma eficaz de fortalecer as chances de concepção.

Sobre a Associação Mulher, Ciência e Reprodução Humana do Brasil (AMCR)

AMCR – Associação Mulher Ciência e Reprodução Humana do Brasil – é uma organização formada apenas por mulheres, pós-graduadas da área da saúde e reprodução humana, que compartilham o mesmo propósito: disseminar o conhecimento científico em ginecologia e reprodução humana, através de uma comunicação clara e acessível à todas as mulheres, além de lutar pela igualdade de oportunidade entre gêneros, reconhecimento e valorização da atuação das mulheres da ciência em saúde feminina. A associação foi fundada em março de 2021, pela Prof. Dra. Marise Samama. Atualmente possui 49 associadas, distribuídas em todas as regiões do Brasil. Para saber mais informações, acesse o site.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Segundo José Todescan Júnior, membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética, a adoção de uma rotina prática…
Além de palestras, edição contará com lançamento da campanha de prevenção à gravidez na adolescência e lançamento…
Ginecologista do CEJAM desmitifica o tema em entrevista A pílula do dia seguinte, um método contraceptivo de…
Especialista destaca a importância do planejamento reprodutivo em meio à crescente tendência de gravidez tardia Trinta e…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS