Infertilidade masculina: quebrar tabus faz toda a diferença

*Dr. Matheus Roque, mestre em medicina reprodutiva e diretor científico da Mater Lab

Silenciosa, a infertilidade atinge uma a cada seis pessoas em todo o mundo, representando cerca de 17,5% da população. E mesmo sendo tão comum, ainda é uma doença pouco debatida e divulgada, o que também é resultado de um misto de desinformação e medo do julgamento social que afasta a população de procurar tratamentos e informações verídicas sobre o que é de fato ser infértil.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, é considerado infértil o casal ou indivíduo que está tentando engravidar há 12 meses sem o uso de métodos contraceptivos. Ao perceber possíveis problemas, é recomendado a procura por um profissional especializado para que seja iniciada uma investigação para encontrar as causas.

Importante ressaltar que durante a procura, cerca de 10 a 15% dos casais que são diagnosticados com a doença não possuem uma causa comprovada para o quadro. Já no caso dos casais no qual as causas são descobertas, a maioria está relacionada a fatores masculinos, femininos e da associação desses fatores.

Porém, a infertilidade ainda é um tabu para o público masculino. Culturalmente o homem tem uma imagem de ser “Viril”, e não se importam como deveriam com a saúde, deixando o peso da responsabilidade de uma possível causa da infertilidade para as mulheres.

De acordo com dados do Sistema Único de Saúde (SUS), em 2022, o número de atendimento de mulheres nos ginecologistas foram de mais de 1,2 milhão, número expressivamente maior, do que os 200 mil atendimentos feitos por urologistas em homens.

É de extrema importância fortalecer campanhas de conscientização, principalmente com foco na saúde masculina, desmistificando e quebrando preconceitos de que a infertilidade torne o indivíduo do sexo masculino inferior a outro homem por esse fato.

É preciso ações didáticas para essa parcela da sociedade entender que a infertilidade também é causada por fatores masculinos e se receber tratamento adequado pode ser curada. Sendo possível assim encontrar através da medicina reprodutiva uma forma que facilite que esse homem, ou casal, realizar o sonho de ter um filho.

Existem inúmeros fatores que podem influenciar no diagnóstico da infertilidade, desde alterações no DNA até doenças pré existentes e hábitos de vida.

Difundir o assunto em rodas de conversas masculinas é essencial, para que o homem reconheça a importância de observar o seu corpo e identificar possíveis alterações que interfiram na fertilidade conjugal.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Apenas 47% das pessoas que se declaram bi, lésbicas ou trans se consultam regularmente. Homens trans necessitam…
Como a integração de elementos de design melhora o bem-estar emocional dos pacientes  …
Para a Dra. Waleska de Carvalho, ginecologista e obstetra da AMCR, mudanças sociais e fatores de saúde…
Valores podem chegar a até R$ 50 mil no Brasil, e, mesmo assim, técnica não garante a…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS