Janeiro Branco: atuação da psicologia no atendimento à saúde mental materna pode ser vital

Psicóloga destaca importância de ações voltadas às mães desde a gestação, a fim de reduzir riscos de transtornos psiquiátricos como a depressão pós-parto

Com o olhar voltado à saúde materna, organizações de saúde de todo o mundo vêm compreendendo a necessidade de uma abordagem abrangente no atendimento às gestantes e mães, reconhecendo que o bem-estar emocional é tão vital quanto o cuidado físico.

De acordo com a psicóloga Lídia Farias, que atua na maternidade do Hospital da Mulher Mariska Ribeiro, no Rio de Janeiro, essa fase na vida da mulher é repleta de emoções intensas, medos, ansiedades e desafios, iniciando um processo que vai além das transformações físicas no corpo feminino.

Por essa razão, ela defende que o acompanhamento do Serviço de Psicologia no apoio às mães é fundamental e deve ser realizado durante todas as etapas da gestação e nascimento do bebê, inclusive quando há risco na gravidez ou problemas mais graves, que podem evoluir para o óbito fetal ou neonatal.

“A vivência da maternidade é uma jornada complexa, com emoções contraditórias, onde as mães enfrentam medos, ansiedades e cobranças sociais sobre o que é esperado delas. O desequilíbrio emocional, somado às mudanças físicas, pode predispor as mulheres a transtornos psiquiátricos, como a depressão pós-parto, por exemplo”, destaca a especialista.

Segundo estudo realizado pela fundação britânica Parent-Infant, uma em cada dez mulheres apresenta dificuldades em estabelecer uma conexão afetiva com seus bebês, problema que possui entre suas principais causas a depressão pós-parto.

No Brasil, conforme pesquisa divulgada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), mais de 25% das mães desenvolvem depressão pós-parto entre os 6 e 18 meses, após o nascimento do bebê. As pesquisas sobre o assunto citam efeitos no desenvolvimento social, afetivo e cognitivo da criança, além de sequelas prolongadas na infância e adolescência.

Lídia explica que o Serviço de Psicologia do Hospital desempenha um papel fundamental ao oferecer esse suporte. Durante o pré-natal de gestantes de alto risco, as intervenções da equipe psicossocial ocorrem para prevenir o surgimento de transtornos psiquiátricos no pós-parto, ajudando na construção da identidade materna e proporcionando um ambiente emocionalmente estável que irá impactar positivamente a saúde mental da mãe e o desenvolvimento do bebê.

Já na etapa de internação, as mães que enfrentam dificuldades emocionais no processo de maternagem são cuidadosamente avaliadas e acompanhadas pela equipe do Mariska. “Quando necessário, realizamos também o encaminhamento dessas pacientes para a rede de saúde mental do território, garantindo que elas recebam o apoio adequado para superar os desafios emocionais”, salienta.

Outra abordagem realizada pelo Serviço de Psicologia se refere ao acolhimento após o óbito fetal ou neonatal, compreendendo essa experiência como um rompimento de expectativas e sofrimento psíquico intenso. “O óbito fetal ou neonatal é uma experiência devastadora que exige uma abordagem ainda mais sensível e compreensiva”, alega Lídia.

No Mariska Ribeiro, as intervenções do Serviço de Psicologia são implementadas ainda durante a internação da mãe ou do bebê, com atendimento constante e personalizado, levando em consideração as especificidades de cada caso e perfil da família.

Segundo a psicóloga, é também disponibilizado seguimento ambulatorial para acompanhamento do processo de luto, com o objetivo de construir e fortalecer estratégias de enfrentamento.

“Nesses casos, todo o nosso empenho é direcionado a ajudar essa mãe a enfrentar o momento difícil para que consiga, aos poucos, conquistar o equilíbrio emocional necessário para retomar sua rotina com mais qualidade de vida, fatores que influenciam diretamente sua saúde física e mental em médio e longo prazos”, finaliza.

O Serviço de Psicologia do Hospital Mariska Ribeiro está disponível de segunda a sábado, das 8h às 18h para suporte junto às pacientes internadas e atendimento ambulatorial para gestantes do pré-natal de alto risco.

Sobre o Hospital da Mulher Mariska Ribeiro

O Hospital da Mulher Mariska Ribeiro, localizado na zona oeste do Rio de Janeiro, é um complexo neonatal gerenciado pelo CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

O CEJAM é uma entidade filantrópica e sem fins lucrativos fundada em 1991, que atua em parceria com prefeituras locais, nas regiões onde atua, ou com o Governo do Estado, no gerenciamento de serviços e programas de saúde nos municípios de São Paulo, Rio de Janeiro, Mogi das Cruzes, Itu, Osasco, Campinas, Carapicuíba, Franco da Rocha, Guarulhos, Santos, São Roque, Francisco Morato, Ferraz de Vasconcelos, Pariquera-Açu e Itapevi.

Com a missão de ser instrumento transformador da vida das pessoas por meio de ações de promoção, prevenção e assistência à saúde, o CEJAM é considerado uma Instituição de excelência no apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS). O seu nome é uma homenagem ao Dr. João Amorim, médico obstetra e um dos fundadores da Instituição.

No ano de 2024, a organização lança a campanha “366 Novos Dias de Cuidado, Amor e Esperança: Transformando Vidas e Construindo um Futuro Sustentável”, reforçando seu compromisso com o bem-estar social, a preservação do meio ambiente e os princípios de ESG (Ambiental, Social e Governança).

Siga o CEJAM nas redes sociais (@cejamoficial) e acompanhe os conteúdos divulgados no site da instituição.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Imunoterapia, anticorpos conjugados, sequenciamento genético e por onde caminha a pesquisa clínica que visa beneficiar as pacientes…
Técnica permite menor custo e menos efeitos colaterais nas pacientes…
Em 27 de agosto, às 19h, o “Nós Tentantes, Projeto de Vida” idealizado por Karina Steiger, mãe…
De acordo com o IBGE, o número de casamentos entre pessoas LGBTQIAPN+ cresceu no Brasil e superou…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS