Médica faz alerta para gestantes terem atenção redobrada com a dengue

Diante do crescimento alarmante dos casos e mortes em 2024, a especialista do Hospital Digital Vitta, do Grupo Stone, reforça a importância da prevenção e vigilância especial para grávidas

O Brasil está enfrentando um aumento preocupante nos casos de dengue em 2024. De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o país chegou à marca de 532.921 casos prováveis de dengue e 90 mortes pela doença desde janeiro.

Consideradas grupo de risco pelo Ministério da Saúde, as mulheres grávidas estão mais suscetíveis ao desenvolvimento de formas graves de dengue, o que pode acarretar sérias consequências para a saúde da mãe e do bebê, incluindo riscos de sangramento obstétrico, aborto e parto prematuro.

Para a Dra. Fernanda Salvador, Médica de Família e Comunidade e Coordenadora Regional do Hospital Digital Vitta, do Grupo Stone, enfatizar a prevenção é essencial. Segundo ela, as gestantes devem redobrar a atenção no uso de repelentes como medida preventiva contra a picada do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. Além disso, destaca a importância de buscar assistência médica de imediato ao notar quaisquer sintomas relacionados à doença.

O diagnóstico de dengue pode ser desafiador durante a gravidez devido às mudanças naturais no corpo da mulher. “A febre é um sintoma chave, mas dores de cabeça, náuseas e moleza também são comuns. É vital que, ao primeiro sinal de febre, especialmente em áreas com surtos da doença, a gestante busque avaliação médica“, alerta a especialista. Quanto ao tratamento, ela reitera que não existem medicamentos específicos para a dengue, sendo crucial manter-se hidratada e repousar. O paracetamol pode ser utilizado para aliviar os sintomas, sob orientação médica.

Riscos para o bebê

A infecção por dengue durante a gravidez pode trazer complicações graves. “Existe um risco aumentado de aborto no primeiro trimestre e de parto prematuro no último,” explica Dra. Salvador. Pesquisas do Ministério da Saúde sugerem que a dengue pode estar associada a maior risco de baixo peso ao nascer e até mesmo a morte materna, embora os mecanismos específicos ainda necessitam de mais esclarecimentos

Para prevenir a dengue, é essencial o controle do vetor e a eliminação de possíveis criadouros do mosquito. “Usar repelentes aprovados pela ANVISA e vestir roupas que cubram a maior parte do corpo são medidas eficazes,” destaca a Dra. Salvador. No entanto, ela lembra que, atualmente, as vacinas disponíveis contra a dengue são contraindicadas para gestantes e lactantes, devido à falta de estudos que garantam sua segurança e eficácia neste grupo.

Sobre a Vitta

Fundada em 2014 como uma empresa de gestão médica, sua solução evoluiu e, em 2021, lançou o primeiro Hospital Digital do Brasil. Hoje, são mais de 300 mil vidas administradas em suas diversas frentes de negócio, incluindo sua corretora de benefícios. A Vitta é uma empresa Stone desde 2020, ganhando robustez financeira e as mais avançadas diretrizes financeiras e de gestão corporativa.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Imunoterapia, anticorpos conjugados, sequenciamento genético e por onde caminha a pesquisa clínica que visa beneficiar as pacientes…
Técnica permite menor custo e menos efeitos colaterais nas pacientes…
Em 27 de agosto, às 19h, o “Nós Tentantes, Projeto de Vida” idealizado por Karina Steiger, mãe…
De acordo com o IBGE, o número de casamentos entre pessoas LGBTQIAPN+ cresceu no Brasil e superou…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS