Médica faz alerta para gestantes terem atenção redobrada com a dengue

Diante do crescimento alarmante dos casos e mortes em 2024, a especialista do Hospital Digital Vitta, do Grupo Stone, reforça a importância da prevenção e vigilância especial para grávidas

O Brasil está enfrentando um aumento preocupante nos casos de dengue em 2024. De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o país chegou à marca de 532.921 casos prováveis de dengue e 90 mortes pela doença desde janeiro.

Consideradas grupo de risco pelo Ministério da Saúde, as mulheres grávidas estão mais suscetíveis ao desenvolvimento de formas graves de dengue, o que pode acarretar sérias consequências para a saúde da mãe e do bebê, incluindo riscos de sangramento obstétrico, aborto e parto prematuro.

Para a Dra. Fernanda Salvador, Médica de Família e Comunidade e Coordenadora Regional do Hospital Digital Vitta, do Grupo Stone, enfatizar a prevenção é essencial. Segundo ela, as gestantes devem redobrar a atenção no uso de repelentes como medida preventiva contra a picada do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. Além disso, destaca a importância de buscar assistência médica de imediato ao notar quaisquer sintomas relacionados à doença.

O diagnóstico de dengue pode ser desafiador durante a gravidez devido às mudanças naturais no corpo da mulher. “A febre é um sintoma chave, mas dores de cabeça, náuseas e moleza também são comuns. É vital que, ao primeiro sinal de febre, especialmente em áreas com surtos da doença, a gestante busque avaliação médica“, alerta a especialista. Quanto ao tratamento, ela reitera que não existem medicamentos específicos para a dengue, sendo crucial manter-se hidratada e repousar. O paracetamol pode ser utilizado para aliviar os sintomas, sob orientação médica.

Riscos para o bebê

A infecção por dengue durante a gravidez pode trazer complicações graves. “Existe um risco aumentado de aborto no primeiro trimestre e de parto prematuro no último,” explica Dra. Salvador. Pesquisas do Ministério da Saúde sugerem que a dengue pode estar associada a maior risco de baixo peso ao nascer e até mesmo a morte materna, embora os mecanismos específicos ainda necessitam de mais esclarecimentos

Para prevenir a dengue, é essencial o controle do vetor e a eliminação de possíveis criadouros do mosquito. “Usar repelentes aprovados pela ANVISA e vestir roupas que cubram a maior parte do corpo são medidas eficazes,” destaca a Dra. Salvador. No entanto, ela lembra que, atualmente, as vacinas disponíveis contra a dengue são contraindicadas para gestantes e lactantes, devido à falta de estudos que garantam sua segurança e eficácia neste grupo.

Sobre a Vitta

Fundada em 2014 como uma empresa de gestão médica, sua solução evoluiu e, em 2021, lançou o primeiro Hospital Digital do Brasil. Hoje, são mais de 300 mil vidas administradas em suas diversas frentes de negócio, incluindo sua corretora de benefícios. A Vitta é uma empresa Stone desde 2020, ganhando robustez financeira e as mais avançadas diretrizes financeiras e de gestão corporativa.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

* Por Cadu Lopes O setor da saúde está em constante evolução, seja por conta dos rápidos…
Padrão cultural faz com que eles desenvolvam condições que poderiam ser revertidas Homens vão menos ao médico…
Ginecologista especialista em menopausa explica a diferença entre fim de menstruação e estar na menopausa A histerectomia…
Idealizado por Karina Steiger, mamãe por ovodoação, o Nós Tentantes, Projeto de Vida percorre cidades brasileiras com…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS