Novembro Roxo: Inteligência Artificial é aliada na redução de sequelas e taxa de mortalidade de prematuros

Vera Cruz Hospital, em Campinas (SP), adota tecnologia que auxilia no monitoramento integral dos prematuros internados na UTI Neonatal

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, 11% dos nascimentos ocorrem antes das 37 semanas de gestação, o que a Organização Mundial de Saúde (OMS) classifica como prematuridade, e a maioria precisa de cuidados das Unidades de Terapias Intensivas (UTIs) neonatais, onde recebe o monitoramento em tempo integral de equipes multiprofissionais e equipamentos de última geração. O período de internação se faz necessário devido ao bebê prematuro não ter a completa formação de todos os órgãos e por estar com a imunidade em desenvolvimento. Assim, recebe toda a assistência necessária em caso de alguma intercorrência, evitando problemas futuros.

Por isso, os investimentos em tecnologia avançam a passos largos para minimizar os impactos da prematuridade nesses pequenos guerreiros. No Vera Cruz Hospital, em Campinas, interior de São Paulo, nasceram 109 bebês prematuros entre janeiro e outubro deste ano. Treze foram acompanhados por um moderno recurso desenvolvido por médicos brasileiros e supervisionado pela empresa PBSF (Protegendo Cérebros e Salvando Futuros, na tradução do inglês). A tecnologia utiliza a Inteligência Artificial (IA) para monitorar bebês recém-nascidos, diagnosticando e possibilitando o tratamento precoce de lesões cerebrais de alto risco, bem como reduzindo a mortalidade neonatal e as sequelas neurológicas, que, muitas vezes, podem impactá-los ao longo da vida.

“Após iniciarmos o uso dessa tecnologia na nossa UTI neonatal, conseguimos um manejo mais assertivo e adequado das condições neurológicas dos recém-nascidos de risco. Isso nos possibilitou o uso rápido de procedimentos e medicações em casos de crises convulsivas subclínicas (sem manifestação clínica evidente) e ajudou a esclarecer quadros que pensávamos ter crise epiléptica e não havia, evitando a utilização de medicações que poderiam ter efeitos colaterais ruins para os bebês”, explica a médica Michelle Marchi de Medeiros, coordenadora da UTI Neonatal e Maternidade do Vera Cruz Hospital.

O monitoramento constante por meio de eletrodos ligados ao cérebro analisa um grande volume de dados e fornece informações em tempo real, que, de forma manual, levariam muitas horas (e até dias) para serem analisadas. Essa tecnologia, aliada à atenção plena e ao conhecimento técnico das equipes assistenciais, ajuda na tomada rápida de decisões personalizadas, com desfechos favoráveis e alta eficiência. Ao menor sinal de alteração clínica, o sistema emite um alerta à equipe presente no plantão, que conta com o suporte remoto de um time de especialistas multidisciplinares 24 horas por dia, sete dias por semana.

“Os ganhos para a saúde dos bebês e para a equipe da UTI Neonatal são imensuráveis, permitindo mais segurança para usar o recurso certo, na medida certa, com melhores resultados. Com isso, podem ser evitadas sequelas graves, como paralisia cerebral, déficit cognitivo, deficiência motora fina, comprometimento da memória, cegueira e surdez, bem como a evolução para o óbito”, pondera a especialista.

Conforme dados da PBSF, nascem, no mundo, anualmente, um milhão de bebês com alto risco de sequelas neurológicas em decorrência de problemas como asfixia perinatal, prematuridade e cardiopatia congênita. Se não receberem tratamento adequado e imediato, entre 15% e 25% irão a óbito; dos sobreviventes, 35% terão graves sequelas neurológicas (especialmente paralisia cerebral, déficit cognitivo, cegueira e surdez). Cenário que inspira atenção e, cada vez mais, a utilização da IA para salvar vidas. Afinal, como diz o conceito da neonatologia, “tempo é cérebro”.

Sistema reconhecido mundialmente

O mesmo sistema de monitoramento dos recém-nascidos no Vera Cruz Hospital está presente em 40 hospitais públicos e privados do Brasil e em cinco centros internacionais (Estados Unidos, Reino Unido e Índia). Mais de sete mil prematuros já foram beneficiados pela tecnologia. Todos os dados são armazenados, constituindo um dos maiores bancos de dados de monitoramento neonatal do mundo. Essas informações auxiliam médicos e hospitais de qualquer localidade, no Brasil e no mundo. “Contribui de forma positiva para oferecer um tratamento cada vez mais homogêneo, eficaz e seguro, com maior índice de sobrevida e melhores desfechos clínicos, evitando sofrimentos e prejuízos maiores que podem perdurar por toda a vida”, conclui a médica.

Sobre o Vera Cruz Hospital

Há 80 anos, o Vera Cruz Hospital é reconhecido pela qualidade de seus serviços, capacidade tecnológica, equipe de médicos renomados e por oferecer um atendimento humano que valoriza a vida em primeiro lugar. A unidade dispõe de 166 leitos distribuídos em diferentes unidades de internação, em acomodação individual (apartamento) ou coletiva (dois leitos), UTIs e maternidade, e ainda conta com setores de Quimioterapia, Hemodinâmica, Radiologia (incluindo tomografia, ressonância magnética, densitometria óssea, ultrassonografia e raio x), e laboratório com o selo de qualidade Fleury Medicina e Saúde. Em outubro de 2017, a Hospital Care tornou-se parceira do Vera Cruz. Em quase seis anos, a aliança registra importantes avanços na prestação de serviços gerados por investimentos em inovação e tecnologia, tendo, inclusive, ultrapassado a marca de duas mil cirurgias robóticas, grande diferencial na região e no interior do Brasil. Em médio prazo, o grupo prevê expansão no atendimento com a criação de dois novos prédios erguidos na frente e ao lado do hospital principal, totalizando 17 mil m² de áreas construídas a mais. Há 35 anos, o Vera Cruz criou e mantém a Fundação Roberto Rocha Brito, referência em treinamentos e cursos de saúde na Região Metropolitana de Campinas, tanto para profissionais do setor quanto para leigos, e é uma unidade credenciada da American Heart Association. Em abril de 2021, o Hospital conquistou o Selo de Excelência em Boas Práticas de Segurança para o enfrentamento da Covid-19 pelo Instituto Brasileiro de Excelência em Saúde (IBES) e, em dezembro, foi reacreditado em nível máximo de Excelência em atendimento geral pela Organização Nacional de Acreditação.

 

 

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

A infertilidade é uma doença silenciosa e que a cada ano que passa vai atingindo mais pessoas…
Concentração de espermatozoides que os homens liberam durante a ejaculação caiu mais de 50% nos últimos 50…
Brasil realiza mais de 70 mil cirurgias bariátricas por ano: acompanhamento médico é essencial para garantir a…
Com a entrada em vigor da Resolução CFM Nº 2.336, ocorreram importantes mudanças nas regras relacionadas à…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS