Os cuidados ginecológicos para a comunidade LGBTQIA+

Apenas 47% das pessoas que se declaram bi, lésbicas ou trans se consultam regularmente. Homens trans necessitam de um cuidado multidisciplinar para sua saúde

Segundo dados do Relatório Atenção Integral à Saúde das Mulheres Lésbicas e Bissexuais, do Ministério da Saúde, apenas 47% da população LGBTQIA+ tem cuidados periódicos com um ginecologista. O número é bem abaixo das 76% das mulheres que se consultam anualmente, de acordo com a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

Muito disso se deve aos diversos mitos que rondam a saúde feminina no que se refere a manter relações com outras mulheres, e do preconceito que muitas delas sofrem dos próprios profissionais da área. “Mulheres lésbicas, bissexuais e homens trans necessitam de um acompanhamento regular e completo. No caso de homens trans, esse cuidado precisa ser ainda mais multidisciplinar, formado por ginecologistas, endocrinologistas, psicólogos e assistentes sociais”, afirma o Dr. Ricardo Bruno, Mestre e Doutor em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Chefe do Serviço de Reprodução Humana do Instituto de Ginecologia da UFRJ e Diretor Médico da Exeltis Brasil.

Os exames preventivos como mamografia, papanicolau e ultrassons, precisam ser mantidos e acompanhados periodicamente. O assunto ainda é um tabu para muitas pacientes, em parte porque ainda existe um conceito de que infecções e algumas doenças sexualmente transmissíveis não seriam transmitidas em uma relação entre mulheres, uma vez que não há penetração. Mas esse mito pode custar caro à saúde.

Acessórios utilizados, como vibradores e outros sex toys, e a própria penetração com o dedo, a prática do sexo oral, sem a higienização correta dos mesmos ou com ferimentos e machucados mais expostos, em contato com a mucosa vaginal, podem causar distúrbios na região. “As infecções podem surgir pela ação de vírus, bactérias ou protozoários, como a sífilis, HIV, HPV, hepatites, etc. Essa falsa crença de que mulheres lésbicas, bi ou trans são menos propensas a isso prejudica a prevenção. O profissional de saúde e a paciente necessitam ser claros e objetivos para não ignorarem essas práticas, de uma forma respeitável e confortável para a paciente”, explica.

No que diz respeito à saúde do homem transgênero o atendimento deve ser ainda mais abrangente e individualizado, principalmente se houver tratamentos hormonais. O uso de androgênios, por exemplo, faz com que o trans necessite de uma rotina de consultas trimestral, pois como a dosagem de testosterona é elevada, o paciente deve estar em constante observação para possíveis alterações no perfil lipídico, alteração glicêmica, coagulação sanguínea, funções renais, impactos no fígado, entre outros.

Enquanto houver também a presença do útero e dos ovários, as consultas e exames de rotina também deverão ser mantidas. “O câncer de mama também é uma realidade que se mantém para esta população. A ação de andrógenos promove a atrofia das mamas, mas em alguns casos, o hormônio masculino pode ser convertido em estrógeno, o que mantém as condições para o aparecimento da doença”, afirma o especialista.

Por isso, segundo o Dr. Ricardo Bruno, todos os exames de rotina da mulher, independentemente de gênero, devem ser feitos e realizados anualmente e o profissional de saúde deve analisar caso a caso, com respeito e acolhimento. Além disso, o uso da camisinha ainda é imprescindível para a saúde feminina, masculina e da comunidade LGBTQIA+.

Sobre a Exeltis

A Exeltis é uma empresa farmacêutica 100% focada na Saúde da Mulher, que faz parte do grupo espanhol Insud Pharma, marca global com presença em mais de 40 países. No Brasil desde 2013, a Exeltis possui grande presença no mercado nacional e uma equipe de mais de 160 colaboradores em todo o país, além de disponibilizar uma linha completa de soluções de contracepção, suplementação vitamínica e reposição hormonal, entre outros segmentos.

Informações para a imprensa – Máindi

Exeltis | exeltis@maindi.com.br

Tércio Silveira – tercio.silveira@maindi.com.br – (11) 99654-2496

Alessandra Sabbag – alessandra.sabbag@maindi.com.br – (11) 98629-3551

Uirá Banheza – uira.banheza@maindi.com.br – (11) 99855-1174

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Imunoterapia, anticorpos conjugados, sequenciamento genético e por onde caminha a pesquisa clínica que visa beneficiar as pacientes…
Técnica permite menor custo e menos efeitos colaterais nas pacientes…
Em 27 de agosto, às 19h, o “Nós Tentantes, Projeto de Vida” idealizado por Karina Steiger, mãe…
De acordo com o IBGE, o número de casamentos entre pessoas LGBTQIAPN+ cresceu no Brasil e superou…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS