Solange Almeida e Carla Dias falam da importância de preservar a fertilidade para a futura maternidade!

Prestes a fazer 50 anos, Solange Almeida anunciou na imprensa essa semana que planeja gravidez com óvulos congelados desde 2014. Outro depoimento público foi o da atriz Carla Dias, aos 33 anos, que sonha em ser mãe um dia e recentemente realizou a técnica de criopreservação social de óvulos também.

O que elas têm em comum? Para a Dra. Carla Iaconelli, especialista em reprodução humana, o termo é liberdade reprodutiva.

“Sempre faço essa grande reflexão sobre o papel da mulher na sociedade contemporânea que, muitas vezes, precisa escolher entre a carreira e a maternidade. Ainda nos tempos de hoje, temos esse impasse e, mesmo sabendo que as duas opções andam juntas, sentimos toda a pressão e angústia. Por outro lado, com o avanço da medicina reprodutiva, há como preservar a fertilidade e decidir gerar um filho, com ou sem parceiro, no seu momento”, ressalta Dra. Carla.

Segundo a médica, que também é obstetra e ginecologista, sim, é possível ser mãe após os 40 anos, com cuidado e acompanhamento médico especializado.

Atualmente, existem alguns tratamentos de reprodução humana que permitem a gestação depois dessa idade, com mais segurança e mais chances de sucesso. Porém, estatisticamente as chances de engravidar de forma natural após os 40 anos são muito baixas quando comparadas às mulheres com menos de 35 anos.

Algumas alternativas para as tentantes são:

  • Relação programada;
  • Inseminação intrauterina;
  • Fertilização In Vitro (FIV);
  • Ovodoação.

A especialista em Reprodução Humana explica também que os óvulos podem ser mantidos congelados por tempo indeterminado.

A técnica laboratorial é chamada vitrificação.

O congelamento acontece de forma rápida, o óvulo é congelado de forma abrupta após exposição a substância crioprotetora, um passo importante pois evita que sejam formados cristais e que o óvulo degenere no processo.

Esta técnica foi o grande salto nos tratamentos da medicina reprodutiva, pois permitiu a disseminação da possibilidade de congelar os óvulos com segurança pelas e com perdas mínimas de material, além disso, a taxa de recuperação de óvulos pós descongelamento em bons laboratórios é em torno de 90%.

Em relação aos tratamentos da Reprodução Humana, Dra. Carla enfatiza sobre alguns de baixa e alta complexidade. A Fertilização in vitro (FIV), por exemplo, é um dos procedimentos mais conhecidos e bem-sucedidos, que envolve a coleta de óvulos e espermatozoides.

Para utilizarmos os óvulos congelados, a gestação deverá ser através de FIV, de acordo com a especialista.Alternativas possíveis, explica Dra. Carla, são a Inseminação Intrauterina (IIU), em que o esperma é inoculado no útero da mulher (considera-se também pacientes que desejem reprodução independente), e a doação de óvulos ou esperma, e ainda de doação embriões.

Todos seguindo critérios de total sigilo e anonimato dos doadores.

“Além disso, ao realizar uma FIV existe a possibilidade de diagnosticar alterações nos números de cromossomos nos embriões antes de transferi-los para o útero. Essas alterações sabidamente são mais prevalentes em mulheres com mais de 40 anos, como por exemplo a Síndrome de Down. Este exame do embrião reduz a taxa de aborto nesta faixa etária e ajuda a aumentar a taxa de gravidez por transferência de embrião, por se saber previamente sobre a genética do embrião e nos permitir uma melhor seleção”, diz Dra. Carla.

Para finalizar a médica faz alguns alertas:

  • A infertilidade é definida quando o casal não consegue engravidar de maneira natural, após 12 meses de tentativas, mantendo relações sexuais periodicamente e sem o uso de preservativo. Mas após os 35 anos esse período cai para 6 meses.
  • Esses fatores podem ser tanto de origem feminina quanto masculina. Para a Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), 35% dos casos são relacionados à mulher, 35%, relacionados ao homem, 20% a ambos e 10% permanecem desconhecidos. Assim, é importante que o homem também se submeta a uma avaliação de fertilidade junto com a mulher para que aumente as chances de gravidez.
  • A mulheres que desejam ser mãe solo, pais solo, casais homoafetivos, assim como pessoas trans também estão no grupo de pessoas que devem procurar aconselhamento reprodutivo com um especialista em reprodução humana assistida, uma vez que as técnicas estão à disposição de todas as famílias.
  • Uma pesquisa realizada pela Redirection International revela que o setor da medicina reprodutiva do Brasil deve crescer em média 3% ao ano até 2026. Hoje, o mercado nacional movimenta R$ 1,3 bilhão e deve chegar a pouco mais de R$ 3 bilhões.

NOTÍCIAS
MAIS LIDAS

Considerada a segunda doença mais frequente entre mulheres na sua fase reprodutiva, endometriose pode levar até sete…
Uma em cada dez mulheres no mundo podem sofrer com o problema de saúde De acordo com…
O principal cuidado em relação aos miomas é a realização de exames periódicos, afirma o  especialista em…
Diante do crescimento alarmante dos casos e mortes em 2024, a especialista do Hospital Digital Vitta, do…

CADASTRE-SE PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER E REVISTAS